NotíciasReportagens

BMW Alpina B7 xDrive: O que já era muito bom ficou melhor ainda!

Fotos: Divulgação / Renato Pereira

A matéria em que apresentamos o Audi S8 Plus (https://www.carpointnews.com.br/novo/?p=47377) teve grande sucesso, o carro, como não poderia deixar de ser, foi entusiasticamente elogiado e notamos um outro efeito, a curiosidade de criada pela referência feita ao BMW Alpina B7 na lista de seus concorrentes diretos, modelo que não existe no Brasil e, como não poderia deixar de ser, fez com que muitos se (e nos…) Perguntasse: mas que carro é esse? Então, como também não poderia deixar de ser, vamos apresentar agora a Alpina e seu o fantástico B7!

A Alpina Burkard Bovensiepen GmbH, fundada em 1965 por Burkard Bovensiepen,  é uma preparadora de automóveis com sede em Buchloe, no distrito de Ostallgäu, Baviera, Alemanha, que cria seus modelos e os comercializa com base nos modelos BMW, com quem trabalha em estreita cooperação, inclusive com seus processos integrados nas linhas de produção da BMW, sendo reconhecido pelo Ministério dos Transportes alemão como um fabricante de automóveis independente, o que não acontece com a AMG ou a Quattro, que pertencem a Mercedes-Benz e Audi. Dessa forma, o modelo B7 é produzido pela Alpina na mesma linha de montagem dos outros modelos Série 7 da BMW em Dingolfing, Alemanha, enquanto o motor V8 4.4 bi-turbo de é montado à mão nas instalações da Alpina em Buchloe, antes de ser enviado para a BMW e instalado no carro,  que é então enviado de volta para a Alpina para a montagem final.

A empresa se originou em 1962, quando do desenvolvimento dos carburadores Weber para o motor do BMW 1500, um segmento bem diferente de suas raízes, uma vez que a Alpina produzia máquinas de escrever, depois seguiu para a indústria textil e, em 1965, transformou-se em uma empresa de tuning para os modelos BMW em um anexo da fábrica de máquinas de escrever, trabalhando em carburadores e cabeçotes e, entre 1968 a 1977, a empresa se notabilizou com seus carros de corridas, obtendo muitas vitórias no Campeonato Europeu de Carros de Turismo, no campeonato Hillclimb – subida de montanha – Alemão e na 24 Horas de Spa-Francorschamps, até se retirar oficialmente das corridas em 1988 por causa de limitações de capacidade e algumas restrições, resultando na criação da produção conjunta de automóveis BMW Alpina, cujos carros são numerados e registados como Alpina, embora possam ser comprados em concessionárias com garantia da BMW, que mantém sua divisão própria, a Motorsport (atual M) na preparação de seus modelos de série e até concorrem entre sí, como acontece com o BMW M5 e o Alpina B5, por exemplo, onde o primeiro utiliza motor V10 5.0 aspirado e o outro usa motorização V8 4.4 com supercharger. Atualmente, a linha de modelos Alpina é composta pelos modelos D3 (Série 3),  D4 (Série 4), D5 (Série 5), XD3 (X3) com motor 6 cilindros em linha, bi-turbo e 345 Cv de potência, B3 (Série 3) e B4 (Série 4) com motor 6 cilindros em linha, bi-turbo, com 404 Cv de potência, B5 (Série 5) e B6 (Série 6) com motor V8, bi-turbo e 590 Cv de potência e B7 xDrive (Série 7) com motor V8, bi-turbo, com 540 Cv de potência.

O sedan Alpina B7 é o maior em dimensões e potência fabricado sobre a plataforma da Série 7 (F01/F02) BMW e, junto ao coupé B6, também é comercializado nos Estados Unidos no disputado segmento dos automóveis da categoria Full-Size Luxury Cars cujo domínio mundial, gostem ou não, fica nas mãos das três gigantes alemãs com seus modelos que, aparentemente, não tem onde melhorar e de suas empresas de preparação e personalização, que encontram onde melhorar o design, acabamento, itens se conforto e desempenho.

Para não concorrerem novamente entre sí, BMW e Alpina chegaram à um acordo, onde a montadora bávara manteve sua posição de não querer dotar seu maior sedan com itens de alta perfomance e quer manter sua motorização atual V8 4.4 turbo com 450 Cv de potência, por considerar que os F01 e F02 são demasiadamente grandes e pesados para o sub-segmento esportivo. Não que não tenham positivamente pensado nisso, e existem alguns modelos pré-série desenvolvidos pela divisão Motorsport com motorização V8 mais potente do que a oferecida pelo motor V12 6.0 do modelo 760Li, com 600 Cv de potência. Então, para os que não concordam que um automóvel de dimensões marítimas (5.215mm de comprimento, 1.900mm de largura e 1.490mm de altura, pesando mais de 2 toneladas) deva ser apenas um “carro de tiozão”, a Alpina colocou mãos-a-obra e abriu a temporada de caça aos Mercedes-Benz S63 AMG,  Audi S8 Quattro, Bentley Flying Spur, Porsche Panamera Turbo S e Jaguar XJ Supercharged com seu modelo B7 bi-turbo xDrive.

Com base no modelo BMW 750i LWB, o B7 xDrive utiliza o mesmo motor V8 4,4 N63 litros do modelo de série, porém com muito trabalho nos pistões, bielas, cabeçotes que agora chegam a 9,2:1 de taxa de compressão, injeção direta de alta pressão e turbocompressores, que passam de 0,8 para 1,0 bar de pressão, com 14,5 Psi. Novo intercooler, radiador de água adicional, radiadores para óleo do motor e da transmissão e novos coletores de escapamento, além da reprogramação dos softwares de gestão do conjunto motriz garantem a elevação em praticamente 100 Cv de potência a mais, 700 Nm de torque, excelente relação de 115 Cv por litro e sua perfeita longevidade. A transmissão ZF automática de oito velocidades e tração integral nas quatro rodas se encarregam de transferir com extatidão toda essa potência para as rodas de 21 polegadas calçadas em pneus 243/35 na dianteira e 285/30 na traseira, e o BMW Alpina B7 xDrive atinge os 100 km/h, a partir da imobilidade total, em 4,3 segundos, e sua  velocidade máxima é limitada em 300 km/h, que é atingida em aproximadamente 12 segundos. Nada mal mesmo para se deslocar mais de 2 toneladas de peso! Comparado com o motor utilizado nos modelos B5 e B6, o V8 4.4 do B7 xDrive tem menos potência específica, porém seu torque é muito mais elevado, e essas perfomances alcançadas pelo modelo comprovam que a equação encontrada pela Alpina foi mais do que acertada. “Ah, mas o Audi S8 Plus é mais rápido na medição de 0 a 100 km/h”… é, só que o modelo de Ingolstadt é menor e mais leve do que o Alpina B7 xDrive, e seria estranho se fosse mais lento.

Externamente, o Alpina B7 xDrive é muito discreto, e não fosse a adição de uma pequena asa traseira e das enormes rodas com 21 polegadas, dificilmente se notaria rapidamente alguma imediata entre o modelo de série da BMW e a versão apimentada da Alpina. Internamente, é difícil dizer se falta alguma coisa em matéria de requinte, luxo, conforto, beleza e nível de acabamento, além de toda a eletrônica embarcada e todos os incontáveis itens de segurança ativa e passiva, como é de se esperar em um carro desse padrão, o que deixa clara a preocupação da Alpina em, mesmo sendo teoricamente independente da BMW, manter todos os pontos positivos que fazem da montadora bávara uma das principais referências em automóveis de alto luxo em todo o mundo.

Oficialmente, não existe importação direta do BMW Alpina B7 xDrive através de sua filial no Brasil, o que não impossibilita tampouco dificulta a compra e importação, com o preço médio de uma unidade 0/km sendo de € 122.000,00, em torno de  R$ 473.000,00 no câmbio de hoje (€1,00 = R$3,97), sem contar taxas, impostos e frete. Para um rápido cálculo, um BMW 750 xDrive de série custa em média €88.000,00 na Europa, que resulta em R$ 340.000,00 bruto, e é comercializado aqui por volta de €115.000,00, ou R$ 446.000,00. Nessa ordem de grandeza, seu preço aqui será na faixa de R$ 600.000,00. Aos interessados, a dica é procurar uma importadora idônea, legalizada, com experiência nos trâmites, e não haverá nenhuma espécie de problema na aquisição, documentação e frete de um Alpina B7 xDrive.

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo