CarrosNotícias

Nascar Sprint Cup 2016 – 2° Etapa – Atlanta

000_Abre

No dia 21 de fevereiro tivemos a abertura da temporada 2016 da Nascar Sprint Cup com a realização da prova Daytona 500, uma prova até cautelosa por parte de todos os pilotos, por se tratara de um superspeedway e não se sabia ainda, ao certo, em ritmo de prova, como seriam as reações dos carros com os novos – pequenos mas significativos – pacotes aerodinâmicos cujo objetivo, segundo a visão norte-americana do automobilismo, o carro tem de ser muito veloz, muito rápido (as duas coisas são bem diferentes), potente e difícil de pilotar, com o mínimo ou nada de auxílios e controles eletrônicos, para valorizar a capacidade do piloto e de sua equipe. Como se já não fosse difícil o suficiente andar a mais de 300 km/h com um carro de mais de 1,5 toneladas disputando posições com 40 concorrentes e tendo de trocar pneus (com seis porcas) e reabastecendo constantemente.

A Daytona 500 não ofereceu as grandes emoções (batidas, pronto…) que o público tanto gosta, mas foi um show de trocas de posições em todos os grupos e, sendo uma prova longa em um circuito de 2,5 milhas de extensão, houveram sim momentos “mornos”, onde a idéia era única e exclusivamente poupar os equipamentos para os combates a partir das 50 últimas das 200 voltas. Matt Kenseth, após problemas na classificação, perdeu o 2°posto e largou lá do final dos 40 carros. Mesmo assim, chegou na turma da frente e liderou 40 voltas, menos a final, quando Denny Hamlin, 11° na largada e tendo liderado 95 voltas, “deu o bote” e tirou a vitória praticamente garantida de Kenseth (que errou em uma manobra primária) na última curva e caiu para a 14ª colocação. Martin Truex Jr, que partiu do 28° lugar, cruzou a linha de chegada lado a lado com Hemlin, e só foi possível definir o vencedor pela célula fotoelétrica que cada carro carrega, tão absurdamente mínima foi a diferença; Kyle Busch, atual campeão da categoria, largou – e permaneceu – a prova toda entre os 5 primeiros, o que PE um bocado difícil, e conquistou o 3° lugar. Kark Edwards avançou da 10ª para a 4ª colocação, seguido por um incansável Carl Edwards, “goleiro” de toda a sorte de problemas possíveis, chegou a ficar uma volta atrás, se recuperou e garantiu o 5° – e merecido – posto, à frente de Joey Logano na 6ª colocação, em prova onde os Ford não se encontraram jeito de serem competitivos.

No final, os 16 melhores colocados (número de pilotos que irão disputar o Chase of the Sprint Cup, como explicado na matéria anterior https://www.carpointnews.com.br/novo/?p=51034) foram:

1° – Danny Hamlin, Toyota Camry #11, Joe Gibbs Racing, 45 pontos

2° – Martin Truex Jr, Toyota Camry #78, Forniture Row Racing, 40 pontos

3° – Kyle Busch, Toyota Camry #18, Joe Gibbs Racing, 39 pontos

4° – Kevin Harvick, Chevrolet SS #4, Stewart-Haas Racing, 37 pontos

5° – Carl Edwards. Toyota Camry #19, Joe Gibbs Racing, 36 pontos

6° – Joey Logano, Ford Fusion #22, Team Penske, 35 pontos

7° – Kyle Larson, Chevrolet SS #42, Chip Ganassi Racing, 34 pontos

8° – Regan Smith, Chevrolet SS #7, Tommy Baldwin Racing, 33 pontos

9° – Austin Dillon, Chevrolet SS #3, Richard Childress Racing, 33 pontos

10° – Kurt Busch, Chevrolet SS #41, Stewart-Haas Racing, 31 pontos

11° – Ryan Newmann, Chevrolet SS #31, Richard Childress Racing, 31 pontos

12° – Aric Almirola, Ford Fusion #43, Richard Petty Motorsports, 29 pontos

13° – Kasey Khane, Chevrolet SS #5, Hendrick Motorsports, 28 pontos

14° – Matt Kenseth, Toyota Camry #20, Joe Gibbs Racing, 28 pontos

15° – Michael McDowell, Chevrolet SS #95, Circle Sport Leavine Family Racing, 26 pontos

16° – Jimmie Johnson, Chevrolet SS #48, Hendrick Motorsports, 26 pontos

Esta foi a primeira das 36 etapas válidas, e ao longo da temporada, até o início do Chase of the Sprint Cup essas 16 posições trocarão de formação constantemente, e nomes como Regan Smith, Austin Dillon, Aric Almirola, Kasey Kahne e Michael McDowell não deverão estar inclusos.

Amanhã, domingo 28 de fevereiro, será realizada a segunda etapa do campeonato, a Folds of Honor Quick Trip 500 no Atlanta Motor Speedway, circuito tipo Quad-Oval com 1,5 milhas (2,4 km de extensão), com inclinação de 24° nas curvas e 4° nas retas, em asfalto, com capacidade para 164 mil expectadores nas arquibancadas, localizado em Hampton, Geórgia.

Após a desclassificação de Kyle Busch por problemas técnicos, o grid de largada da prova com largada prevista para as 15:00hs horário de Brasília ficou assim formado:

1° – Kurt Busch, Chevrolet SS #41, Stewart-Haas Racing

2° – Jamie McMurray, Chevrolet SS #1, Chip Ganassi Racing

3° – Trevor Bayne, Ford Fusion #5, Roush Fenwey Racing

4° – Ryan Newmann, Chevrolet SS #31, Richard Childress Racing

5° – Rick Stenhouse Jr., Ford Fusion #17, Roush Fenwey Racing

6° – Kevin Harvick, Chevrolet SS #4, Stewart-Haas Racing

7° – Carl Edwards. Toyota Camry #19, Joe Gibbs Racing

8° – Austin Dillon, Chevrolet SS #3, Richard Childress Racing

9° – Martin Truex Jr, Toyota Camry #78, Forniture Row Racing

10° – Brian Scott, Ford Fusion #44, Richard Petty Racing

11° – Kasey Kahne, Chevrolet SS #5, Hendrick Motorsports

12° – Danny Hamlin, Toyota Camry #11, Joe Gibbs Racing

Este é, sem a menor dúvida, um grid de largada estranhíssimo, para dizer o mínimo. Como explicar a presença de 8 pilotos do costumeiro “pelotão do fundo” entre os 12 mais rápidos nos treinos classificatórios não é tarefa fácil, assim como justificar as desconcertantes qualificações de Matt Kensett em 13°, Dale Earhnardt Jr. em 16°, Brad Keselowski em 17°, Jimmie Johnson em 19° e Joey Logano em 26°é uma missão quase impossível. O que isso tem de bom? Depois da morna corrida inicial da temporada, agora a Nascar promete a voltar ao normal e vai ser daquelas corridas de arrepiar!

Texto e Arte: Renato Pereira

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo