CarrosNotícias
Tendência

Latin NCAP: Resultados dos testes de Sistemas de Retenção Infantil na América Latina

Uma nova rodada de resultados do Programa de Avaliação de Sistemas de Retenção Infantil, PESRI, foi apresentada hoje com a avaliação de desempenho de segurança de onze Sistemas de Retenção Infantil (SRI) vendidos na região da América Latina.

O objetivo do PESRI é conscientizar os consumidores sobre a relevância do uso dos SRIs, fornecer informações aos consumidores sobre desempenho de segurança e gerar informações para a lista de referência de SRIs para testes do Programa de Avaliação de Veículos Novos para América Latina e o Caribe, Latin NCAP. Cada SRI é submetido a uma série de testes, como impacto frontal, impacto lateral e avaliação de facilidade de uso, resultando em uma classificação por estrelas. O resultado dos testes permite que o consumidor tome uma decisão informada ao comprar um SRI.

Resultados 2019 

Este ano, onze produtos dos mercados da Argentina, Brasil, México e Uruguai foram selecionados para avaliação. No entanto, os modelos também estão disponíveis em outros países da região. Os testes incluem dois modelos para bebês e nove cadeiras multigrupo que podem ser usadas em várias configurações. Os SRIs multigrupo cobrem mais de um grupo de peso e são populares porque são uma solução relativamente barata para transportar crianças em suas diferentes etapas de crescimento. Contudo, os testes mostram novamente que eles nunca atingem um bom desempenho em toda a faixa de aplicação.

A maioria das cadeiras do mercado na América Latina é instalada e presa ao veículo com cinto de segurança. Isso aumenta a probabilidade de instalação incorreta devido à folga ou a perda de ajustes após vários dias e depois de uma instalação bem-sucedida. A maioria dos veículos que circulam nas ruas da região não está equipada com ancoragens ISOFIX; no entanto, é cada vez mais comum que novos modelos de veículos ofereçam ISOFIX como padrão. As ancoragens ISOFIX permitem que o SRI seja rigidamente instalado no carro, se o veículo estiver equipado com essas ancoragens ISOFIX. Elas contribuem para reduzir drasticamente o uso indevido e a instalação inadequada e, assim, melhorar significativamente a segurança.

Os resultados gerais estão alinhados com os anos anteriores e confirmam que os assentos multigrupo podem comprometer a segurança. No entanto, um assento conversível de bebê/criança pequena (Joie Spin 360) e dois assentos multigrupo (Kiddo Adapt e Bebesit Supersport) tiveram uma boa pontuação de quatro estrelas. Esses modelos foram instalados usando ancoragens ISOFIX.

Nos testes dinâmicos, foram registradas altas cargas na criança, movimentos indesejáveis do dummy ou alguns SRIs que entraram em colapso, o que resultou em um alto risco de lesão que levou a pontuações baixas. Vários SRIs mostraram falhas graves no impacto frontal: os arneses do Styll Baby Bebe Conforto, Bb Protect Rodacross, Love 2026, Briccone poltrona e Prinsel Matrix quebraram quando foram testados, gerando baixos resultados. Além disso, o Prinsel Strada recebeu pontos de penalidade, pois o encosto foi gravemente danificado no impacto frontal.

A proteção contra impactos laterais ainda não é legalmente exigida na América Latina. A maioria dos SRIs avaliados oferece proteção insuficiente ou não proporciona proteção contra impacto lateral: as asas laterais não têm tamanho suficiente e/ou o material de enchimento está ausente. Portadores de bebê Cosco Bliss e Styll Baby Bebe Conforto, bem como o OK Baby Safe Trip 1 e Prinsel Strada registraram altas cargas na cabeça e/ou no peito do dummy, devido à ausência de asas laterais de bom tamanho e/ou enchimento suficiente. Essa falta de proteção lateral nos SRIs é agravada se for considerado que a proteção do impacto lateral nos automóveis também não é exigida pelos governos.

As instruções para o usuário são um ponto de atenção. O uso correto do SRI determina o nível de proteção. Rotas incorretas das correias, folga nos arneses ou no cinto do veículo, SRI inadequado (por exemplo, tamanho ou orientação incorreta) podem ter sérias consequências para as crianças, independentemente das qualidades de proteção dos bancos quando usadas de maneira adequada. Nestes testes houve baixos desempenhos, por exemplo, o BB Protect oferece uma má sinalização do cinto e não possui a etiqueta de advertência do airbag para assentos instalados voltados para trás.

Para os consumidores, incentivar o uso do SRI voltado para trás para crianças pequenas, pelo menos até um ano, e, quando possível, até os três anos. Como a maioria dos veículos no mercado latino-americano não possui proteção adequada contra impactos laterais, quando são utilizados boosters, o PESRI recomenda o uso de apenas boosters com encosto para melhorar a proteção contra impactos laterais. Qualquer ser humano abaixo de 1,35 m deve usar algum tipo de SRI.

Para os governos da região, introduzir o regulamento UN R129 na legislação, juntamente com o regulamento técnico R44. Acelerar a introdução do SRI com ancoragens Latch/ISOFIX e veículos com ancoragens ISOFIX. Além disso, exigir a melhoria da proteção frontal e lateral; os SRIs devem ser capazes de passar em um tipo de teste de colisão com a exigência dos testes do Latin NCAP, que, embora sejam um pouco mais exigentes do que as normas da ONU, são totalmente representativos da realidade do tráfego da região. É importante lembrar que países da Europa, EUA e Austrália alcançaram bons níveis de proteção em caso de acidente, porque seus veículos são, na maioria, cinco estrelas em segurança, excedendo os requisitos dos padrões da ONU.

Por fim, fabricantes de SRIs e fabricantes de veículos que melhorem a facilidade de uso: instalação em carros, deslocamento simples do cinto, ajustes dos arneses, de preferência que a operação seja realizada apenas com uma mão.

Sobre os regulamentos
Os SRIs podem estar em conformidade com o padrão dos Estados Unidos (FMVVS 213, que é um sistema de autocertificação) ou com um dos Regulamentos das Nações Unidas 44 ou 129, as aprovações são concedidas pela Autoridade de Aprovação de Tipo (TAA). O mais comum ainda é o UN-R44, não o UN-129, que é mais exigente. Os países da América Latina e do Caribe geralmente exigem que um SRI cumpra o FMVSS e/ou o R44. Alguns países têm aprovações nacionais, como o Brasil, com o NBR 14400. Geralmente, eles são baseados no conteúdo técnico de versões anteriores e versões desatualizadas do UN-R44.

Nos testes PESRI de 2019, foi encontrada uma boa quantidade de produtos com aprovações R44 concedidas pelo TAA europeu. Esses produtos geralmente não representam SRIs europeus e, com frequência, também não estão disponíveis na Europa. Além dos testes dinâmicos, o R44 prescreve outras disposições, como o código de cores das rotas da correia (azul para os SRIs olhando para trás, vermelho para os SRIs voltados para a frente), a presença de uma etiqueta de advertência no airbag nos SRIs olhando para trás etc. O R44 não permite o “cinto de clipe” que vemos regularmente nos produtos latino-americanos. Vários SRIs não atendem a esses requisitos, indicando pouco controle do mercado e aprovações facilmente concedidas.

Um caso especial é o Love 2026, que (como o Love 2021 do ano passado) sugere a conformidade com o FMVSS 213. No entanto, parece ser um produto híbrido que afirma atender a uma combinação dos requisitos do R44 e do FMVSS. Possui uma etiqueta de aprovação ‘FMVSS’ do estilo R44 que não está de acordo com nenhum dos regulamentos conhecidos, com a intenção clara de enganar os consumidores, etiqueta de advertência de airbag R44, classificação de massa R44, fivela americana (que permite bloquear os pinos esquerdo e direito de maneira independente) e um clipe no peito para manter as tiras do arnês juntas (ambas não são permitidas no R44).

A importância do Regulamento 129
Dentro de alguns anos, o novo Regulamento 129 da ONU substituirá o Regulamento 44 da ONU.
O R129 está sendo implementado em fases, enquanto as partes equivalentes do R44 são desativadas gradualmente. As principais melhorias do R129 são o transporte obrigatório de crianças voltadas para trás até, pelo menos, os 15 meses, considerando que essa posição oferece a melhor proteção para bebês e crianças pequenas em caso de impacto frontal. Além disso, inclui a introdução de requisitos e especificações de impacto lateral para evitar o uso indevido, uma vez que os arneses devem ser ajustáveis sem desconectar do assento ou usar ferramentas.

Atualmente, o R129 é quase inexistente na América Latina, o R44 é dominante. No contexto do final do R44, bem como o nível mais alto de proteção oferecido pelo R129, os consumidores devem pressionar por uma rápida introdução do R129, pelo menos como uma alternativa junto com o R44 ou ter seus requisitos implementados na legislação nacional.

Fonte: www.latinncap.com

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo