CarrosNotíciasReportagens
Tendência

Investimento inteligente

O ano era 1990 quando o então presidente Fernando Collor fez uso do dispositivo Empréstimo Compulsório para, segundo alegou, garantir a liquidez da economia, bloqueando os saldos de cadernetas de poupança e ficando conhecida como “confisco”. Empréstimo compulsório é um tipo de tributo que só pode ser instituído em casos excepcionais, conforme reza a Constituição de 1988, que prevê a adoção de empréstimo compulsório nas hipóteses de guerra ou calamidade pública. Hoje, o que o mundo inteiro – e o Brasil junto – vive é exatamente isso, uma situação 2 em 1 de guerra contra uma calamidade pública. O Governo é outro, os tempos são outros, mas o caos financeiro não escolhe com quem nem quando.

Na época, houve uma grande comoção nacional, com resultados aparentemente impensados decorrentes do desespero absoluto de quem se viu, de uma hora para outra, sem um centavo de suas reservas, e inclusive suicídios foram cometidos aos borbotões. Era de se esperar que o brasileiro, já tão “calejado”, tivesse aprendido as manhas e artimanhas aplicadas pelos governos, sejam de que ideologia forem, que as usam e abusam quando se veem espremidos na parede – nesses momentos, não existe compaixão, é medida de guerra mesmo – soubesse como se prevenir. A história existe para ensinar o que se deve e o que não se pode fazer, como esperar alienadamente pelos acontecimentos, por exemplo.

Nós, meros mortais, os “café-pequenos” da economia, já deveríamos ter a noção de que, de repente, estaremos com uma mão na frente e a outra também, a menos que façamos a roda girar. Tudo bem que temos de nos ater a todas as prevenções recomendadas, tomar todos os cuidados possíveis, porém, isso não implica ficarmos estáticos à espera de um milagre. Ou do tiro de misericórdia. Fazer a roda girar, neste caso, implica movimentar a economia de modo que o tal tiro não nos atinja diretamente entre os olhos. Trocar as economias investidas em contas ou aplicações por propriedades sólidas, inexpugnáveis e de alta liquidez é a mais perfeita alternativa para não sermos pegos desprevenidos novamente.

“Comprar carro num momento desses?”, questionarão os mais céticos. Sim, responderão os ponderados. Não se trata de adquirir um carro premium para ostentação, e sim um investimento intocável por quem quer que seja. E com muito maior liquidez do que um imóvel, por exemplo. Não é de hoje que as grandes fortunas investem em automóveis afim de se preservarem financeiramente. O mercado de super-esportivos está aí para confirmar essa vertente econômica. Um Koeniggseg Agera não existe para seu proprietário acelerar a 400 km/h, existe para garantir que seus mais de 12 milhões de Reais estejam à mão do dono assim que ele precisar, tanto quanto os 150 mil Reais de carro semi-novo Premium.

O valor exemplificado acima é bem variável. A Automotive São Paulo – uma das dez melhores empresas independentes especializadas em veículos Premium novos e semi-novos do Brasil – é um bom exemplo. Em seu estoque, figuram modelos cujos valores variam dos R$100.000,00 do Mercedes-Benz C200 aos R$375.000,00 do Maserati Ghibli QS4, passando por uma grande gama de ofertas dos modelos de maior mercado tanto em seus países de origem quanto no Brasil, como BMW X6, Range Rover Sport, Audi TT, Mini Paceman John Cooper Works, Porsche Cayenne, Aston Martin Vantage e Jaguar E-Pace, entre outros, para além dos modelos de menor valor porém com o mesmo nível de qualidade e excelência.

É claro que existem boas ofertas no mercado. E é claro que existe uma preocupação por parte de quem pretende comprar um semi-novo Premium. Não é engraçado investir em um automóvel à guisa de se prevenir de prejuízos oriundos do impensado, e dar de cara com problemas sobre problemas integrantes “do combo” de um veículo de procedência desconhecida, com histórico duvidoso. Se a ideia é investir para se garantir, procurar as melhores lojas especializadas, que ofereçam sempre as melhores unidades, com todos os documentos, laudos e perícias oficiais, todas as garantias e preços compatíveis com o produto e o mercado, é a melhor alternativa. Sem Coronavírus, claro!

Em matéria de investimento e prevenção, mais vale um bom automóvel bem guardado na garagem do que uma boa soma pronta para ser “tomada emprestada” sem seu consentimento, não é?  Afinal, gato escaldado tem medo de todo tipo de água.

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo