CarrosEntrevistasNotícias
Tendência

Entrevista com Hiroshi Tamura, Especialista-Chefe de Produto do Z Proto

A Essência do Z

Desde 1969, o venerado Fairlady Z tem enfeitiçado os apaixonados por carros esportivos pelo mundo afora. Mesmo com o lançamento de várias versões do modelo ao longo dos anos, ele sempre manteve sua identidade como o arquétipo do carro esportivo japonês. E qual seria o segredo desse sucesso? O que fez com que o modelo se tornasse tão especial com o passar dos anos?

Para descobrir, fomos ao encontro de funcionários da Nissan para conhecer suas impressões a respeito das qualidades que definem o Z e o que o “Z-ness” significa para eles.

Para abrir a série convidamos Hiroshi Tamura, Especialista-Chefe de Produto (CPS) da Nissan Motor Co. responsável pelo Z Proto e pela próxima geração do Z. Depois de ter se formado em engenharia, ele começou a trabalhar na Nissan em abril de 1984. Os primeiros anos de sua carreira na empresa foram intercalados por alguns períodos em que atuou nas filiais comerciais Autech Japan e Nissan Prince Kanagawa. Em fevereiro de 2006, ele recebeu sua primeira missão como CPS, no departamento de planejamento de produto. Em 2012, tornou-se CPS do GT-R e do 370Z, assumindo o desafio não apenas de satisfazer, mas de superar as expectativas dos fãs com os dois modelos legendários.

P: Gostaríamos de começar com uma pergunta básica: O que significa o “Z-ness”?

Tamura: Para mim, o “Z-ness” é o espírito da Nissan. É a forma como o carro se conecta ao motorista – à mente, corpo e alma do condutor –, proporcionando o máximo prazer ao dirigir. É assim que motorista e máquina se unem, resultando em uma autêntica “unicidade” ou “ligação” entre eles. O Z expressa uma atitude surpreendente, que passa da atração à primeira vista à sedução, para formar uma relação duradoura. Isso é único no Z.

P: Quando você diz “mente, corpo e alma”, você poderia explicar como o Z faz tal conexão?

Tamura: Muitos carros têm uma boa performance dinâmica, mas o Z faz com que seja mais fácil desfrutar dessa performance, pois ele cria uma relação emocional com o motorista. Como se fosse um parceiro de dança escolhido a dedo, o Z responde aos impulsos do motorista por meio de uma relação não verbal, que se sente na alma. O “Z-ness” também significa curtir e celebrar a vida do seu jeito – e não importa se você é do tipo que prefere dirigir sozinho em uma estrada desafiadora ou fazer parte de uma comunidade mundial de fãs do Z, os “Zentusiastas”.

P: Qual é o papel do Z na linha de modelos da Nissan?

Tamura: Como mencionei, o Z é o espírito da Nissan. Ele se torna ainda mais importante neste momento em que a Nissan está envolvida em seu plano de transformação, o Nissan NEXT. O Z injeta ainda mais emoção em cada produto da linha que, por sua vez, emociona a todos nós que temos uma ligação com a empresa, incluindo os clientes, funcionários e fãs. Este é o carro que as pessoas conhecem e se lembram. O Z tem um equilíbrio fundamental entre potência e design, que é reconhecido instantaneamente como um modelo da Nissan. Ele está ao alcance de muitos clientes em potencial e isso é muito importante. É um carro dos sonhos, que pode ser desfrutado por muitos.

O Z tem movido nossa paixão de inovar e desafiar padrões por gerações. “Paixão, inovação, desafio”. Essas três palavras definem o Z e continuam sendo vitais para o DNA da empresa, fazendo do Z uma forte influência na cultura e personalidade da Nissan.

P: Por que você acha que o Z, há mais de 50 anos, tem tantos fãs?

Tamura: O Z é atemporal, graças ao seu estilo e acessibilidade. Milhões de pessoas têm uma relação especial com esse carro. Pergunte para os seus parentes e amigos sobre o Z: você vai ter sorrisos e respostas positivas. É isso o que faz com que o espírito do Z esteja a cada dia mais vivo.

P: Qual foi a abordagem de engenharia que você empregou no design do novo Z?

Tamura: No meu trabalho como Especialista-Chefe de Produto, sou a voz do cliente. Lançar um novo Z é uma tarefa desafiadora para toda a equipe porque muitas pessoas adoram o Z por diferentes motivos, como a aparência, performance e até as memórias positivas que eles podem ter tido com gerações anteriores do Z. Precisamos considerar em primeiro lugar o desejo e a felicidade do cliente. Mas também ajudou o fato de que eu já adorava os modelos Z antes disso, tendo sido proprietário de alguns com o passar dos anos. Eu sei o que o Z significa para mim, portanto sei o que ele significa para o cliente. Para o Z, o meu objetivo sempre foi proporcionar um equilíbrio entre estilo, potência e tecnologia, de forma que tudo isso esteja facilmente ao alcance do cliente. O Z precisa oferecer a combinação certa entre performance, aparência e um objeto que coloca um sorriso no rosto do cliente.

P: Fale sobre sua história com o Z. Alguma recordação ou experiência em especial?

Tamura: Eu sempre fui um fanático pela Nissan desde criança. Quando era jovem, era fã principalmente de dois carros – o GT-R e o Z – e foi naquela época que quis fazer parte do futuro da Nissan e dos seus carros esportivos. Eu me lembro da potência e performance do GT-R nas pistas e também do belo visual do Fairlady Z. Esses carros mudaram minha vida! Tenho tantas lembranças boas como proprietário e dirigindo o Z e o GT-R que acho que fico sem palavras ao pensar que agora sou responsável pela criação deles. Vou ter que escrever um livro sobre isso qualquer dia desses!

P: Você disse que teve um Z. Qual era o modelo?

Tamura: O primeiro foi o 240ZG “G-nose”, que eu comprei de segunda mão e – é claro! – comecei imediatamente a tunar em busca da máxima performance, algo que ainda faço hoje. Eu adorava o visual do 240ZG, que me fazia lembrar um trem-bala (Shinkansen, em japonês). Ele tinha uma carroceria bem elegante e aerodinâmica, cuja forma que parecia romper o ar. Para mim, era surpreendente como uma montadora japonesa poderia criar um design desse tipo, com uma carroceria baixa e larga, um nariz longo, a traseira curta e os agressivos alargadores de para-lamas parafusados. O outro Z que tive na garagem foi o Z31 turbo, que eu também tunei. Naquela época, a tunagem era muito comum e muitas peças de reposição eram acessíveis. Aprendi como tunar meus carros à base de tentativa e erro, aprendendo a prestar atenção aos detalhes como o sistema de refrigeração, freios e muitos outros. Algumas lições foram mais difíceis, mas no final ele sempre ficava bacana!

P: O que você mais deseja em relação ao próximo Z?

Tamura: Quero que as pessoas dirijam o próximo Z e se sintam como se tivessem conhecido um novo parceiro de dança. Quero que os clientes sorriam, curtam o carro e continuem a compartilhar o sonho Z. O próximo Z será um carro que manterá vivo o espírito dos carros esportivos da Nissan e espero que ele ajude a criar novas memórias felizes para a família Nissan, os apaixonados por carros e Zentusiastas de todo o mundo!

Fonte: Nissan Comunicação

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo