Avaliações de motosMotosNotícias

Avalição – KTM Duke 390 2019

Fotos: Eduardo Motoca

Divertida, tecnológica e boa de curva, essa é a KTM Duke 390 que avaliamos em parceria com o site carpointnews.com.br. Essa motocicleta estava em nossa mira a algum tempo e nos deu muita alegria poder testá-la. A moto vem com muitas melhorias em relação ao modelo anterior.

A moto é montada em Manaus pela Dafra Motos que é também a importadora e parceira comercial da KTM no Brasil além de ser responsável pela operação da marca no País. Outros modelos como a KTM 200 DUKE e a linha EXC (KTM 300 EXC, KTM 250 EXC-F, KTM 350 EXC-F e KTM 350 EXC-F SIX DAYS) são montadas em Manaus.

Assim que pegamos a moto, de cara sua cor (explosiva) e design chama muita atenção, o visual agressivo dá impressão de ter maior cilindrada, realmente ela materializa o slogan da marca “Ready to Race”

Seu novo e muito bonito farol em LED, o quadro laranja e o subquadro branco, o novo escapamento, e é claro seu painel TFT de 5,2 polegadas com tela antirreflexo que muda a cor do fundo conforme a luz ambiente.

Assim que montei, já me senti em “casa” ficando bem confortável, a posição de pilotagem mais “a frente” com as pernas recuadas apoiadas nas pedaleiras que ficaram mais elevadas, permitem um encaixe melhor das pernas no tanque que passou de 11 para 13,4 litros nesta nova versão.

O Assento em duas peças e confortável e a espuma está na medida certa nem muito mole nem muito dura a 820mm do chão.O design baseado na Superduke R 1290 nos remete diretamente a diversão, a carenagem muito bem desenhada e outros itens fazem desta Austríaca uma excelente opção do nicho de mercado denominado como “compacta premium”.

Nos punhos que contam com iluminação, somente o necessário sem frescuras, o esquerdo além do comando das setas e buzina tem os botões parecidos com um joystick que controlam as funções do painel, são muitas informações bem distribuídas e de fácil leitura. No punho direito o botão de start e o corta corrente. Os manetes tanto do freio quando da embreagem possuem regulagem e podem ser adaptados a todo tamanho de mão.

CIDADE

Ajustei os retrovisores muito bem dimensionados e dei a partida com um só toque no botão, pois com o sistema easy-start não é preciso segurar pressionado, segui para as ruas do nosso caótico trânsito de São Paulo.

Percorri em média 70km por dia em meio ao trânsito, a sensação é de controle e total, realmente você veste a moto as suspensões são bem calibradas e progressivas, ambas da marca WP, na dianteira invertida com tubos de 43mm encontrado em motos de maiores cilindradas sem ajustes e na traseira amortecedor ganhou mola progressiva e conta com ajuste na pré carga, mesmo com nosso asfalto cheio de buracos, ondulações e outras falhas não passam ao piloto desconforto, e mantem a moto “grudada no chão”.

As rodas de alumínio aro 17 são calçadas por excelentes Pirelli Diablo Rosso II (radiais) nas medidas 100/70 na dianteira e 150/60 na traseira que em conjunto com suspensões transmitem muita segurança ao piloto.

A aceleração é suave e linear, o acelerador eletrônico ride by wire (sem cabo) e progressivo e preciso, as mudanças de trajetória e retomadas são fáceis e sem trancos, mas é só girar o acelerador para a “pimenta arder” em segundos, nas saídas de semáforos todos ficam para trás e tome cuidado, pois se puxar ela empina fácil.

MOTOR

O motor monocilíndrico de 373cc e 44cv com refrigeração liquida, duplo comando no cabeçote (DOHC) e 3,77 kgfm de torque que chega aos 7000 rpm, entrega potência de forma progressiva e linear, mas está sempre pronto ao giro da mão direita.

Em meio aos carros com trânsito pesado a ventoinha entra em ação assim que a temperatura atinge o meio do marcador, o que dá mais folga ao motor trabalhando mais “fresco”.

Na cidade respeitando (sempre) a velocidade da via (máxima de 60) consegui fazer média de 29km/l que é uma ótima marca, na estrada fiz mais de 30km/l andando a 100km/h, o que me surpreendeu, pois ela anda bem, isso mostra a eficiência de seu motor, com seu tanque de 13,4 litros se obtém cerca de 400km de autonomia, ou seja, uma bela viagem.

O escapamento novo e muito bonito, bem desenhado, com silenciador de três câmaras proporcionando um ronco muito gostoso e que não incomoda mesmo rodando por muito tempo.  A embreagem deslizante previne a trepidação da roda traseira ao frear ou desacelerar rapidamente e deixa o manete muito leve, com um só dedo é possível trocar as marchas.

ESTRADA

Com sua fama de boa de curvas peguei a BR 374 Rodovia Castelo Branco até a saída 26B com destino a Cabreúva estrada conhecida de muitos pilotos por suas várias curvas, a emoção foi total, a moto gruda no chão e faz curvas como “gente grande” o entre eixo curto, e o conjunto suspensão, quadro, pneus e freios é fantástica pode se deitar até o limite, sem medo de ser feliz. Dá para se divertir muito, fiquei imaginando dentro de um autódromo num trackday por exemplo, deve ser um foguete!

Os freios são da marca ByBre que é a subsidiaria da Brembo na Índia, com disco de 320mm (aumento de 20mm em relação à versão anterior) na dianteira alicatados por uma pinça radial de 4 pistões e na traseira disco de 230mm com pinça flutuante de 1 pistão mais que suficiente para parar os seus 149Kg em ordem de marcha.

O ABS é o Bosch 9.1 MP de dois canais, que pode ser configurado em três opções em Off (totalmente desligado), Road (Ativo as duas rodas), Supermoto (somente ativo o dianteiro).

PAINEL

Para quem gosta de tecnologia a DUKE 390 é um prato cheio, com certeza vai ficar navegando pelas funções do painel que do lado esquerdo mostra resumo (trip, consumo, data, odômetro total) e do outro um belo conta giros, marcador de combustível e de temperatura. Pode ser pareado com seu smartphone via bluetooth, utilizando o aplicativo gratuito KTM MY RIDE disponível para Android ou IOS, assim você pode controlar as músicas e ver quem está te ligando por exemplo, sem tirar a mão do guidão.

Lanterna, piscas e Farol em LED, o que mantem a moto bem visível, este último que é destaque no design da motocicleta conta com uma curiosa funcionalidade, reparem que no centro do farol existe uma espécie de trilho que tem a função de dissipar o calor e manter o computador do farol frio. Emoldurando todo o farol a luz de posição ou de estacionamento é formada por 20 LED´s e o deixa mais atraente ainda.

A KTM DUKE 390 é comercializada nas 24 concessionárias da marca austríaca distribuídas pelo Brasil, nas cores Branca ou Laranja, ambas com quadro laranja e subquadro branco ao preço de R$ 24.990,00

Em relação a estoque de peças, fica em Itajaí (SC) e conta com mais de 75.000 peças originais de reposição da marca KTM, de todos os modelos de motos comercializadas no Brasil, além de um sistema de importação semanal para atender toda demanda dos clientes da marca. O acervo inclui peças de reposição (KTM SpareParts), peças de customização (KTM PowerParts) e roupas/acessórios (KTM PowerWear).

EM RESUMO…

 Nesta moto tudo é superdimensionado, ou seja, uma moto pronta para o dia a dia com muitos itens que só se vê em motos maiores, é confortável, boa de curva, e ainda te permite aproveitar os finais de semana de modo mais radical ou até em viagens, uma ótima opção de moto nesta categoria das naked compactas. Agradecemos a KTM por meio de sua assessoria de imprensa por nos ceder este modelo para avaliação.

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo