AvaliaçõesNotíciasRenaultTestes
Tendência

Avaliação – Renault Kwid 1.0 Intense Pack Biton 2023

Ainda mais econômico com o sistema Start&Stop, de série em todas as versões

Fotos: Marcus Lauria

Avaliei o Renault Kwid 2023 por uma semana e através desse texto vou revelar para você as principais mudanças em relação a versão anterior e o que evolui nesse modelo compacto da marca francesa. Além das suas características já conhecidas como ter o maior porta-malas da categoria, baixo consumo de combustível e único com quatro airbags de série em todas as versões a linha 2023 ganhou novo design e novas tecnologias. A versão avaliada foi a Intensa Pack Biton.

CONFIRA O VÍDEO: https://youtu.be/u6lR4aO604k=-kjhmnbv0\MI98/2

Produzido no Complexo Ayrton Senna, em São José dos Pinhais (PR), o Kwid utiliza a moderna plataforma mundial da Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, CMF-A. Designado como um SUV compacto pela marca, o Kwid recebeu uma nova identidade visual. A dianteira traz novo para-choque mais imponente, luzes de circulação diurna (DRL) em LED em todas as versões – inéditas na categoria –, faróis de parábola dupla na parte inferior, grade frontal esculpida com inserções cromadas ou cinza, dependendo da versão, e parte inferior do para-choque na cor preta reforçando as características SUV. Lançado em julho de 2017, o Kwid tem 277.368 unidades emplacadas até dezembro de 2021.

Na traseira, as novidades são o para-choque e as lanternas com a nova identidade em LED. Já a parte de baixo é dotada de um robusto para-choque que agora traz os refletores integrados, melhorando a visibilidade e reforçando a segurança. Na linha 2023, o hatch passa a ter a opção de teto bíton na versão Intense avaliada pelo site, e rodas de liga leve diamantadas de série nas versões Intense com teto bíton e Outsider.

O Kwid tem uma boa altura do solo (185 mm) e os ângulos de entrada (24,1°) e de saída (41,7°), que ficaram ainda maiores na linha 2023. O veículo tem ainda o maior espaço interno e o maior porta-malas da categoria (290 litros), com banco rebatível chega até 1.100 litros. Além de caixas de rodas mais larga e um capô esculpido com vincos bem marcados. As versões Intense com teto bíton e Outsider passam a vir de série com rodas de liga leve de 14 polegadas diamantadas em duas cores. A versão Intense de entrada traz novo desenho de calota com a inédita tecnologia Flexwheel bíton. O novo viula fez muito bem ao Kwid, deixando ele com linhas bem harmoniosas e agradáveis.

Enquanto por dentro as novidades ficam por conta do painel de instrumentos que agora tem mostradores em LED. Todo o painel central tem novo acabamento, com detalhes cromados e na cor preta brilhante ou cinza Cassiopée, dependendo da versão, nos aeradores das saídas de ar, na moldura do novo sistema multimídia Media Evolution, nas portas e na manopla do câmbio. Na versão Intense os bancos têm novo tecido com detalhes na cor azul nas laterais e no bordado central do encosto.

Com 2.423 mm de entre-eixos, o espaço para quem viaja atrás um pouco apertado, utilzei uma cadeirinha de bebê tempo todo do teste e a minha filha de 3 anos se sentiu apertada, mesmo com o baco do carona em uma posição mais para frente. Quem senta no banco traseiro, por exemplo, bate os joelhos nos bancos da frente, ainda mais se o motorista for grande. A posição de dirigir elevada garante para o motorista uma impressão de segurança no trânsito. Além disso com maior altura da cabine o Kwid assegura ainda mais conforto para quem vai na frente. Dirigir o Kwid é até bem interessante, o volante tem a medida certa e os bancos são bem confortáveis, porém, por ser pequeno não passa tanta segurança em curvas.

De acordo com a marca, o Kwid está 5% mais econômico no ciclo urbano com etanol no tanque, registrando 10,8 km/l, e 3% mais econômico com gasolina, fazendo 15,3 km/l, segundo o Inmetro. Uma das tecnologias aplicadas para a redução do consumo de combustível é a adoção do sistema Start&Stop, que desliga o automóvel automaticamente em semáforo ou outras paradas prolongadas. Este sistema, muito comum em carros topo de gama, garante uma economia de até 5% de combustível no trânsito urbano. Na estrada, 15,7 km/l com gasolina e 11 km/l com etanol. Realmente o Kwid é econômico e pude comprovar isso durante o teste.

Outras tecnologias aliadas ao consumo de combustível foram a adoção do sistema ESM (Energy Smart Management) de regeneração de energia, do sistema de monitoramento da pressão dos pneus (TPMS), além de pneus verdes, que têm 20% a menos de resistência de rolagem, reduzindo o consumo de combustível e, consequentemente, a emissão de CO2.

Sob o capô está o já conhecido propulsor 1.0 SCe (Smart Control Efficiency), com três cilindros, 12 válvulas, duplo comando de válvulas (DOHC) e bloco em alumínio, que rende 71 cv de potência com etanol no tanque e 68 cv com gasolina faz a diferença na hora de acelerar. O torque também teve melhoria: 10,0 kgfm com etanol e 9,4 kgfm com gasolina a 4.250 rpm, garantindo boas acelerações e retomadas que foram comprovadas durante o teste e uma semana, se mostrando capaz de fazer ultrapassagens facilmente, mesmo em subidas mais íngremes.

O Kwid traz de série em todas as versões quatro airbags (dois frontais e dois laterais), agora oferece também controle eletrônico de estabilidade (ESP), assistente de partida em rampas (HSA) e aviso de cintos de segurança não afivelados para todos os ocupantes do banco traseiro, revelando estar de acordo com as normas de segurança. A direção elétrica é de série em todas as versões e, além de facilitar as manobras, também ajuda a reduzir o consumo e as emissões, já que exige menos o motor do que os sistemas hidráulicos.

Ainda por dentro a marca oferece a nova central multimídia Media Evolution que traz mais tecnologia e conectividade ao condutor. Com uma nova tela maior, agora de 8”, capacitiva e com interface simples e intuitiva, a central oferece espelhamento para celulares com Android Auto e Apple CarPlay, permitindo usar, por exemplo, Spotify, Waze e Whatsapp na tela do multimídia, e botão “push to talk”, além do sistema Driving eco2, que detecta o modo de condução do motorista e fornece dicas facilmente aplicáveis que podem resultar em uma economia de combustível de até 20%. Uma das novidades é o indicador de temperatura externa.

O Kwid oferece três versões de acabamento: Zen, Intense (versão avaliada) e Outsider. Além das cores vermelho Fogo, branco Glacier, prata Étoile e preto Nacré, o veículo estreia a carroceria azul Iron nas versões Intense (com ou sem pintura bíton) e Outsider.  O modelo 2023 também traz uma nova linha de acessórios, com opções para todos os gostos. São vários kits que incluem itens como rodas de liga leve, câmera de ré, sensor de estacionamento, aerofólio, frisos nas portas, moldura da lanterna traseira, bolsa organizadora e cadeira para carregar animais, entre outros.

Os principais itens de série da versão Intense avaliada são: 4 airbags (2 frontais e 2 laterais); Controle eletrônico de estabilidade (ESP); Assistente de partida em rampa (HSA); Alerta visual e sonoro de não utilização do cinto de segurança de todos os ocupantes; Sistema Start & Stop; Sistema de monitoramento da pressão dos pneus (TPMS); Luzes de circulação diurna (DRL) em LED; Painel de instrumentos com mostradores em LED; Indicador de temperatura externa; Computador de bordo; Tacômetro;  Direção elétrica; Ar-condicionado; Rádio Continental 2DIN (Bluetooth, USB, AUX) com dois alto-falantes; Travas elétricas das portas; Vidros dianteiros elétricos; Versão Intense. Maçanetas externas na cor da carroceria; Retrovisores em preto brilhante; Calotas Flex Wheel 14″ Bíton; Retrovisores elétricos; Chave tipo canivete; Câmera de ré; Media Evolution com tela de 8″ com Espelhamento de smartphone Android Auto® e Apple CarPlay®, funções Eco Coaching e Eco Scoring integradas ao multimídia; Comando satélite de áudio e Lanternas com assinatura em LED, Rodas de liga leve e pintura Biton. Opcional: pintura metálica.

O preço da versão avaliada Intense Pack Biton é de R$ 68.990 sem opcionais. Com os opcionais o valor sobre um pouco, existem as ofertas de cores por exemplo, a branca sai por R$ 700 e as metálicas por R$ 1.500 a mais no valor, podendo chegar a R$ 70.490. Existem ainda a de entrda Zen por R$ 62.790, Intense por  R$ 66.490 e Outsider por R$ 69.990.

*FICHA TÉCNICA:

Mecânica

Motorização 1.0

Combustível             Álcool            Gasolina

Potência (cv)            71       68

Torque (kgf.m)         10       9,4

Velocidade Máxima (km/h)           156     152

Tempo 0-100 (s)      14,7

Consumo cidade (km/l)      10,8    15,3

Consumo estrada (km/l)    11       15,7

Câmbio          manual de 5 marchas

Tração           dianteira

Direção          elétrica

Suspensão dianteira          Suspensão tipo McPherson, roda tipo independente e molas helicoidal.

Suspensão traseira            Suspensão tipo eixo de torção, roda tipo semi-independente e molas helicoidal.

Dimensões

Altura (mm)   1.481

Largura (mm)           1.579

Comprimento (mm)             3.680

Peso (Kg)      786

Tanque (L)    38

Entre-eixos (mm)     2.423

Porta-Malas (L)        290

Ocupantes    5

*Dados do fabricante

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo