AvaliaçõesToyota

Avaliação – Mitsubishi Eclipse Cross 1.5 Turbo HPE-S 4WD 2019

Por Rodrigo Bastos (Diário do Rio)

Fotos: Divulgação/Rodrigo Bastos/Marcus Lauria

Quem nunca pensou em ter um SUV completão? Essa semana testamos o Eclipse Cross, o novo crossover da montadora japonesa Mitsubishi à chegar ao Brasil. Pudemos conferir o que ele trouxe de bom e de ruim para o mercado. Conto tudo abaixo, confira:

O nome do antigo modelo esportivo da marca, só traz de referência mesmo a lanterna inteiriça na sua janela traseira. Porque de resto, o design não lembra em nada o antigo e adorado cupê. E é exatamente este ponto, no seu design externo, o que deixa muitos dos possíveis clientes na dúvida: “É só diferentão”, “É feio mesmo, lembra o Citroen C4 VTR” ou “Bonito, chama bastante atenção aonde passa”.

O design interno é bem bonito, em sua maioria com acabamento preto (black piano). Na parte superior do painel temos acabamento emborrachado, nas braçadeiras temos plástico nos bancos traseiros e tecido que remete ao couro nas versões dianteiras.

O volante é bem moderno e com revestimento em couro. Já os bancos contam com couro bem macio e ajuste elétrico somente para o motorista. No quesito conforto, o Eclipse Cross não perde em nada se comparado diretamente com o francês 3008 ou o alemão Tiguan.

No teste dentro da cidade não podemos por em prática a tração 4×4, mas podemos constatar que a potência dos 165 cavalos aparece bem forte quando o motor turbo é chamado. Os 25,5 kgf.m dá as caras logo aos 1.800 RPM. Tanto em retomadas como nas acelerações bruscas o pequeno motor fez bonito.

A direção elétrica é bem suave ao toque, mas se manteve bem segura e precisa em todos os modos, na lentidão do transito ou nas curvas ou manobras mais rápidas. O câmbio CVT que simula 8 marchas não se mostrou ‘perdido’ em nenhuma situação. Não senti nenhum tranco ou tropeço da transmissão em todo o teste.

O sistema do Piloto Automático Inteligente, também conhecido como Adaptive Cruise Control (ACC), funcionou muito bem, tanto em baixa como em alta velocidade. O sistema semi-autônomo funcionou muito bem ao se manter em uma distância segura do carro à frente, mesmo com o velocímetro marcando 110 km/h.

Na hora da frenagem automática o receio no inicio é bem grande, mas com ele acionado, mesmo quando um carro entra na sua frente, ele se mostrou bem rápido e confiável. Nesse modo, você somente precisa ficar com o pé próximo ao freio, para numa emergência maior precisar acionar. O carro acelera e freia sozinho, ‘aprendendo’ com o trânsito da via. Quando motoqueiros ou até carros, se encontravam mais perto do meio fio, o sistema não os reconhecia.

O SUV médio também tem seletor de tração com três modos de condução: automático (atua no asfalto diário), neve (aqui se lê paralelepípedo molhado) e cascalho, com muita terra e pedras.

Além da boa estabilidade em curvas, graças ao seu bom conjunto de suspensão e rodas aro 18, o Eclipse Cross traz também alerta de saída de faixa, alerta sonoro do ponto cego, sistema de prevenção de acelerações involuntárias e sete airbags espalhados pela cabine.

No quesito consumo, o SUV se manteve numa boa posição, com bons 10,2 Km/L na gasolina dentro da cidade. A montadora informou que na estrada ele chega aos 11,5 ou 12Km/L, dependendo do ‘pé direito do piloto’.

A comparação direta sempre vai mostrar que o pacote de itens do Eclipse Cross é sim bastante completo. E se o design ‘diferentão’ te agradar, o resto é tudo de bom! Só em se ter um sistema semi-autônomo, já é um ponto forte de venda contra os concorrentes. Nem todos trazem o mesmo sistema nesta faixa de preço.

O possível interessado precisa fazer um teste-drive e decidir, se a escolha do conjunto visa motor mais potente e maior diversão ou muita segurança e estabilidade unidas à um motor moderno mais econômico.

A montadora pode pensar em tornar a produção local mais para frente, o que ajudaria ainda mais o seu preço baixar perante aos primeiros colocados na briga. O Compass, da Jeep, vende sozinho mais de 5 mil unidades por mês, e a Mitsubishi espera que o Eclipse chegue inicialmente às 500 unidades mensais. O preço (150 a 155 mil reais, dependendo da versão 4×2 ou 4×4) não é barato, mas o veículo tem boas armas para sacudir o mercado, além do peso do nome Mitsubishi, há décadas referência no mundo fora-de-estrada.

*Agradecimentos especiais ao amigo @bigdigo ([email protected])  do Diário do Rio

Fonte: https://diariodorio.com/teste-mitsubishi-eclipse-cross-muita-seguranca-tecnologia-e-design-dubio/

*FICHA TÉCNICA:

Mecânica

Motorização 1.5

Combustível             Gasolina      

Potência (cv)            165    

Torque (kgf.m)         25,5   

Velocidade Máxima (km/h)           195     N/D

Tempo 0-100 (s)      11,4   

Câmbio          CVT com modo manual

Tração           4×4

Direção          elétrica

Suspensão dianteira          Suspensão tipo McPherson e dianteira com barra estabilizadora, roda tipo independente e molas helicoidal.

Suspensão traseira            Suspensão tipo multibraço e traseira com barra estabilizadora, roda tipo independente e molas helicoidal.

Freios            Quatro freios à disco com dois discos ventilados.

Dimensões

Altura (mm)   1.685

Largura (mm)           1.805

Comprimento (mm)             4.405

Peso (Kg)      1.605

Tanque (L)    60

Entre-eixos (mm)     2.670

Porta-Malas (L)        473

Ocupantes    5

*Dados do fabricante

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo