AvaliaçõesKiaTestes

Avaliação – Hyundai HB20S 1.6 Premium Aut. 2019

Fotos Marcus Lauria

Essa é a primeira vez que tenho contato com o Hyundai HB20, já testei outros modelos da marca Coreana, só que de segmentos diferentes, como os SUVs Santa Fé, IX35 e o sedã Azera. O HB20 iniciou sua produção no Brasil em setembro de 2012, com os motores 1.0 12V e 1.6 16V e em outubro de 2015 sofreu a sua primeira reestilização com a chegada do câmbio automático de 6 velocidades. A montadora, que celebrou em agosto 1 milhão de veículos fabricados em sua planta, e a marca de 1 milhão de carros vendidos no País em setembro está em clima de festa.

A linha 2019 do HB20 chega com algumas novidades e preços que variam entre R$ 43.990 e R$ 72.290. O HB20 S, versão sedã avaliada por uma semana pelo site recebeu grade frontal “Mesh Type” com contorno cromado, à exceção do HB20 Turbo 1.0, que ganha grade frontal com aletas e contorno cromado. Com isso, o visual ficou mais agressivo, mostrando mais robustez quando visto de frente.

Além da nova grade, o HB20S ganhou novas rodas de liga de leve diamantadas de 15 polegadas, presentes nas configurações Premium e Style. Na traseira, são novas as lanternas “Clear Type”, as mesmas que equipam todas as configurações do sedã, que invadem o porta-malas e mostram um desenho bem moderno, harmonizando as linhas do sedã.

Por dentro a novidade fica por conta do painel de instrumentos Supervision Cluster Sport, com disposição dos novos elementos internos, padrão de iluminação e tela LCD; e tecla de reconhecimento de voz no volante, disponível nas versões equipadas com central multimídia blueMedia®, caso da versão avaliada, que ainda oferece a opção de TV digital. Antes exclusividade da série especial HB20 Copa do Mundo FIFA.

Com tela de 7” sensível ao toque, o sistema oferece conectividade com Apple CarPlay® e Google Android Auto®, este último capaz de reproduzir o aplicativo de trânsito e navegação Waze. Possui conexão Bluetooth® com streaming de áudio, acesso a agenda e histórico de chamadas, MP3 player, reprodutor de fotos e vídeos, conexões USB, auxiliar, comandos de áudio e Bluetooth® no volante e botão de reconhecimento de voz, o ruído a bordo é relativamente baixo para um sedã.

Como itens de série estão disponíveis airbags laterais, faróis com projetor e light guide de LED e acendimento automático, sensores de estacionamento traseiro, ar-condicionado digital, retrovisores externos com rebatimento automático, banco traseiro bipartido, volante revestido em couro, alarme volumétrico e vidros elétricos com programação one-touch (subida e descida), e recebe apoio de braço para o motorista. A posição de dirigir é muito boa, mas só depois de tentar achar com muita dificuldade, os ajustes do banco do motorista e do volante são um pouco imprecisos e senti uma certa dificuldade para acertar a medida correta. O volante tem uma ótima empunhadura e deixa o motorista bem à vontade para efetuar qualquer manobra.

O acabamento interno não é primoroso, normal para o modelos desse segmento, mas é um pouco acima da média entre os concorrentes. Os comandos são de fácil acesso e estão bem localizados, sendo muito intuitivos para quem é marinheiro de primeira viagem nos modelos da marca. O banco é macio e encaixa bem o corpo do motorista, ajudando também a dar mais segurança em uma curva mais acentuada.

Sob o capô está o motor 1.6 aspirado rende 128 cv e 16,5 kgfm de torque, que trabalha em conjunto com câmbio de seis marchas automático.  Com uma transmissão que trabalha em perfeita sintonia com o motor flex de 122/128 cv (gasolina/etanol), o HB20S 1.6 anda muito bem na estrada. E agrada também na cidade, pois seus 16,0/16,5 kgfm de torque proporcionam força suficiente para os 1.086 kg. As acelerações são constantes e fortes, mas o câmbio costuma gritar muito nas retomadas e nas arrancadas mais fortes. Mas se souber equilibrar bem o pé direito, o convívio com o sedã é bem agradável.

Nossa média na cidade com etanol foi de 6,9 Km/l, sempre com o ar-condicionado ligado, não consegui pegar estrada para ver seu desempenho nesse ambiente, mas pela experiência que tenho em testar mais de 400 carros nesses 13 anos no segmento automotivo, acredito que o HB20 S não se sairia mal em uma viagem mais longa. Assim como o hatch, o sedã coreano oferece uma dirigibilidade agradável. A suspensão é bem justa e deve ser bem confiável para fazer curvas mais fechadas e deve manter o carro bem apoiado com segurança para todos a bordo. Enfim, o HB20S é um ótimo sedã que tem cacife para enfrentar a concorrência sem medo de ser feliz.

*FICHA TÉCNICA:

Mecânica

Motorização 1.6

Combustível             Álcool            Gasolina

Potência (cv)            128     122

Torque (kgf.m)         16,5    16

Velocidade Máxima (km/h)           191     187

Tempo 0-100 (s)      10,6   

Câmbio          automática com modo manual de 6 marchas

Tração           dianteira

Direção          hidráulica

Suspensão dianteira          Suspensão tipo McPherson e dianteira com barra estabilizadora, roda tipo independente e molas helicoidal.

Suspensão traseira            Suspensão tipo eixo de torção, roda tipo semi-independente e molas helicoidal.

Freios            Dois freios à disco com dois discos ventilados.

Dimensões

Altura (mm)   1.470

Largura (mm)           1.680

Comprimento (mm)             4.230

Peso (Kg)      1.086

Tanque (L)    50

Entre-eixos (mm)     2.500

Porta-Malas (L)        450

Ocupantes    5

*Dados do fabricante

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo