AvaliaçõesFiatTestes

Avaliação – Fiat Toro Freedom 2.0 diesel AT9 4×4 2018

Fotos Derek Flores

A Fiat Toro chegou por aqui há 2 anos, despertando uma nova categoria de picapes. Foi lançada com a ideia de ser um utilitário basicamente urbano, para suprir a demanda de quem tinha uma Saveiro ou uma Montana mas sempre sofreu com a falta do banco traseiro. Só que a picape chegou com força:  um design moderno, linhas arrojadas, altura boa do solo e até uma abertura diferenciada da tampa traseira. Tudo isso fez com que os próprios donos das picapes médias tradicionais (S10, Hilux entre outras) dessem uma olhadinha de desejo para a grama do vizinho. Pensando nisso, a Fiat inseriu diversas motorizações na Toro: 1.8 (Flex), 2.4 (Flex) e 2.0 Turbo Diesel com tração 4×4, o que rendeu o título de picape cabine dupla mais vendida do Brasil.

A maior diferença entra a Toro e as picapes médias está em sua estrutura do tipo monobloco, onde chassi e carroceria são uma peça só, como um carro de passeio ou um SUV. Já as médias, trabalham com base de longarina que sustentam a cabine e caçamba. O sistema de suspensão traseira também é um diferencial: multilink no lugar do tradicional eixo de torção. Tudo isso faz a Toro ter dirigibilidade e conforto de SUV, deixando de lado todo aquele “balança-balança” desagradável das picapes. A direção elétrica e a posição de dirigir muito similar ao Jeep Renegade, deixa a Toro confortável, fácil de manobrar e gostosa de dirigir.  

Ao volante, a Toro mostra bem a força do motor 2.0 Turbo Diesel de 170 cavalos. As 9 marchas do câmbio automático têm um bom escalonamento e se mostram bem eficientes ao trabalhar com o motor diesel, que naturalmente tem uma faixa menor de giros. Ainda como característica desses motores, é possível sentir um leg ao sair do repouso, que deixa a Toro um pouco lenta até a turbina encher e entregar o torque para o motorista. Nas retomadas, subidas e em trecho off-road, a retomada de velocidade e potência surpreendem todos a bordo.

A tração 4×4 se mostra bem eficiente no percurso off-road e demonstra bom rendimento em diferentes situações e pisos. Vale lembrar que a saída de um semáforo, por exemplo, é sempre feita em segunda marcha, e a primeira é apenas utilizada como reduzida para grandes inclinações ou situações delicadas na lama. Por meio de um botão ao lado da alavanca de câmbio, é possível selecionar o modo 4×4 entre automático ou reduzida, onde a divisão da força entre as rodas varia de acordo com a condição da tração dos eixos.

Dentro da cabine, os 5 passageiros viajam com bom espaço, graças a distância entre eixos da picape que é de 2,99 metros, apenas 9 centímetros a menos que uma Hilux. O banco traseiro não tem um encosto tão inclinado como um carro sedan, mas não chega a incomodar em trechos longos. Já o acabamento interno é bom com algumas peças do painel em black piano, volante revestido em couro e botões bem posicionados. As portas e a parte de cima do painel são revestidas com plástico duro.

A Central Multimídia é a mesma utilizada no Jeep Renegade, que era novidade faz 3 anos, mas hoje já se mostra bem obsoleta. A tela tem apenas 5 polegadas, menor do que alguns smartphones, e a central não apresenta nenhum sistema de espelhamento com celular, apenas as funções básicas de conexão bluetooth. A tela exibe também a câmera de ré ao engatar a marcha, mas a visualização fica um pouco comprometida pelo pequeno tamanho da tela.

A versão Freedom AT9 4×4, testada pela reportagem do CarPoint News, sai por R$ 131.590, e vem bem equipada com ar-condicionado digital dualzone, espelho retrovisor fotocrômico, retrovisores com iluminação externa, rebatimento elétrico e tiltdown, revestimento e iluminação da caçamba, tomada 12v e USB para o banco traseiro, controle de estabilidade, assistente de partida em rampa entre outros. A versão TOP de linha da Toro lançada na semana passada, Ranch, acrescenta na lista: teto solar, bancos de couro em marrom, acabamentos escurecidos no interior,  tela TFT  de 7 polegadas no painel e acessórios na caçamba, saindo por  R$ 149.900.

*FICHA TÉNICA:

Mecânica

Motorização 2.0

Combustível             Diesel           

Potência (cv)            170    

Torque (kgf.m)         35,7   

Velocidade Máxima (km/h)           188    

Tempo 0-100 (s)      10      

Consumo cidade (km/l)      9         

Consumo estrada (km/l)    11,2   

Câmbio          automática com modo manual de 9 marchas

Tração           4×4

Direção          elétrica

Suspensão dianteira          Suspensão tipo McPherson e dianteira com barra estabilizadora, roda tipo independente e molas helicoidal.

Suspensão traseira            Suspensão tipo multibraço e traseira com barra estabilizadora, roda tipo independente e molas helicoidal.

Freios            Dois freios à disco com dois discos ventilados.

Dimensões

Altura (mm)   1.746

Largura (mm)           1.844

Comprimento (mm)             4.915

Peso (Kg)      1.871

Tanque (L)    60

Entre-eixos (mm)     2.990

Ocupantes    5

*Dados do fabricante

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo