Avaliações de motosMotosNotícias

Avaliação – Ducati Monster 797

Fotos: Eduardo Motoca / http://vivocommoto.com.br/

Quando se fala em Ducati, imediatamente somos remetidos a competição, motos de alta performance e cilindrada, você também deve ter ouvido adjetivos como Ferrari das motos entre outros, isso tudo é verdade, mas para o uso mais urbano, a Ducati Monster 797 é um modelo que atende muito bem essa demanda.

Apresentada pela primeira vez no Intermot (Salão de Colônia) na Alemanha, em 1992 ainda como protótipo, a Monster chamou a atenção por sua simplicidade, que remetia aos primórdios do motociclismo, “Tudo que você precisa é: um banco, tanque, duas rodas, um motor e o guidão” como disse Miguel Galluzzi, designer do projeto na época. 

Nestes 25 anos já são mais de 300 mil unidades produzidas, o que é uma marca fantástica.

À primeira vista a moto encanta, o porte imponente passa a sensação de ser difícil de pilotar principalmente em meio ao trânsito caótico de SP, palco principal do teste, mas bastou montar e ganhar as ruas que a percepção muda completamente, pesando seus 175Kg (a seco), responde muito bem aos comandos de pilotagem mesmo com seu guidão largo e não faz feio no meio dos carros.

O design é minimalista e compacto com linhas harmônicas e agressivas, o chassi em treliça exposto abaixo do tanque na cor vermelha que se destaca mais ainda no modelo de teste na cor branca (minha favorita), farol redondo, traseira curta e tanque imponente imediatamente mostram o DNA família Monster. Os acabamentos são perfeitos, conquistado pelos pequenos detalhes onde cada parafuso é bem-acabado mostrando a preocupação da marca com a qualidade.

No tanque (16,5 litros) há uma presilha muito bonita que embora não seja funcional, mas remete as primeiras unidades produzidas onde a mesma servia para prender o para-lama dianteiro a traseira tudo muito bem pensado.

O motor é o Desmodue o mesmo que equipa a família Scrambler, bicilindrico em “L” com 803cm³, com 2 válvulas por cilindro, tem potência máxima de 75cv a 8.250 RPM, torque de 7,03 kgfm a 5,750 RPM, refrigerado a ar. Utiliza como combustível gasolina que em nosso teste ficou na média de 14,5Km/l na cidade.

Muito progressivo não dá “sustos” sendo muito suave na pilotagem. Ao parar no trânsito mais intenso é possível sentir o calor do motor refrigerado a ar, sendo essa uma característica deste tipo de motor.

O Cambio de 6 velocidades com embreagem deslizante que evita travamento nas mudanças bruscas de marcha, é muito macio e preciso.

Os freios Brembo como padrão Ducati, são “brutos” contam com 2 discos de 320mm na dianteira com pinças de 4 pistões e fixação radial e disco simples de 245mm na traseira, com ABS fabricado pela Bosch. São potentes e passam muita segurança e respondem de imediato.ao mínimo apertar do manete.

A suspensão dianteira conta com um belíssimo garfo invertido da marca Kayaba de 43mm de diâmetro que não possui regulagens, a traseira fica a cargo da balança com desenho esportivo em alumínio com amortecedor Sachs com ajustes na pré-carga da mola e retorno.

A posição de pilotagem é excelente, no meu caso “vesti” muito bem, tenho 1,78m de altura e calço 42, meus joelhos ficaram em posição confortável nos encaixes do tanque e os pés muito bem posicionados nas pedaleiras.

O guidão largo não cansa e passa uma sensação de segurança. Os retrovisores que ultrapassam um pouco a largura do guidão exigem um pouco de atenção aos obstáculos do cotidiano, mas cumprem muito bem sua função.

O banco possui uma espuma macia, andei por mais de 2 horas seguidas sem sentir absolutamente nenhum desconforto, para garupa uma camada mais fina, porém que acomoda bem, não há alças ou suporte para se segurar, mas isso não impede um bom passeio. ,

Utilizei a moto nos deslocamentos trabalho x casa (60Km/Dia) e em uma pequena viagem aqui pertinho de São Paulo, pois na semana do teste São Pedro não colaborou e choveram praticamente todos os dias. 

De um modo geral isso colaborou com o teste realizado, possibilitando o uso praticamente em todas as condições (dia, noite, asfalto seco e molhado).

O farol é bem dimensionado, ilumina bastante em condições de chuva forte como a que peguei em uma volta para casa à noite, na luz de posição tem 12 leds distribuídos nas laterais e ao meio, além das lâmpadas H1 e H7 nos médios e alto, a lanterna traseira é toda em LED, muito visível para quem vem atrás, isso dá uma segurança a mais ao piloto e garupa. 

O painel de LCD iluminado por LED é bem completo e mostra informações como velocidade, rotações do motor, relógio, consumo de combustível e medias parciais. A eletrônica da moto é simples sem modos de pilotagem ou ajustes de controle de tração, isso para manter um preço competitivo em nosso mercado, ficando assim a irmã maior a Monster 1200 com maior gama de opcionais. 

Senti falta de um marcador de combustível, seria muito bem-vindo principalmente em viagens longas em locais onde não se sabe aonde haverão postos de combustível próximos.

Instigante e provocadora como um animal enjaulado, que quer se soltar a qualquer momento, junto com a vontade e de acelerar para ouvir o ronco abafado e gostoso do motor.

Quando fui buscá-la já senti seu “poder”, mansa, porém se cutucar o acelerador (que é a cabo) ela acorda e responde de imediato.

Mesmo sendo a moto de entrada da Ducati é uma 800cc que merece respeito e cuidado principalmente para quem está subindo de categoria vindo de uma 300cc por exemplo, ela é “amansada”, mas muito forte e pode causar algum susto em pilotos mais inexperientes.

Aproveitando a trégua das chuvas, no fim de semana coloquei a “Bella Macchina” na estrada, com destino a frutaria Rondon em Jundiaí utilizando a estrada dos Romeiros como caminho, que além de muito bonita é cheia de curvas.

A Monster é muito divertida, responde rapidamente aos comandos na direção, deitar nas curvas é muito fácil. Sua ergonomia é excelente, me encaixei como uma “luva”. Os excelentes pneus Pirelli Diablo Rosso II de 180/50 na traseira e 120/70 na dianteira em conjunto com as suspensões deixam a moto colada no chão, passando muita segurança mesmo nos trechos em que o asfalto não era dos melhores. 

Infelizmente no meio do caminho havia um deslizamento de terra bloqueando o caminho e não pude chegar ao destino, enfim…fica para próxima.

Aproveitando o fim de semana, “desfilei” com a “Monstra” em Interlagos, acompanhando a 8º etapa do SuperBike Brasil que marcaria a anunciada última corrida de Alex Barros, consegui conversar com ele alguns minutos e (ainda bem) não deu certeza, de sua despedida, torcemos muito para que não deixe as pistas e volte em 2019, como um ícone da motovelocidade não queremos que pare nunca.

Outra coisa impressionante é como ela chama a atenção, no trânsito, ao parar todos perguntam que moto é essa? Qual cilindrada? Anda muito? Nossa que freio forte! Quanto consome? Por si só desligada já atrai os olhares quando se acelera então, nossa…só se vê pescoços virando.

Em resumo a Ducati Monster 797 é uma moto que pode ser usada no dia a dia em track days e viagens, uma moto extremamente versátil e apaixonante que cumpre com competência sua proposta, custa te custando R$ 39.900,00 lembrando que estamos falando de uma moto premium de sua categoria com excelente qualidade das peças e componentes. É vendida em duas cores: Vermelha com rodas pretas ou Branca com rodas vermelhas

FICHA TÉCNICA:

MOTOR

Bicilíndrico em L, 2 válvulas por cilindro, refrigerado a ar, cilindrada; 803 cc
Torque; 68,9 Nm / 5.750 rpm
Potencia: 75 cv a 8.250 rpm
Injeção de combustível: Sistema de injeção eletrônica, corpo de aceleração 50mm

TRANSMISSÃO
Câmbio: 6 velocidades
Relação Final: Corrente, Pinhão Frontal Z15, pinhão Traseiro Z46
Embreagem: Sequencial de 6 velocidades

CHASSI
Quadro treliça de aço tubular
Suspensão Dianteira: garfo invertido (marca Kayaba),43 mm de curso
Roda dianteira: 10 raios, liga leve 3,50” X 17”
Pneu dianteiro: Pirelli Diablo Rosso II 120 / 70 ZR 17
Suspensão Traseira: monoamortecida (marca Sachs), 150 mm de curso, ajuste de retorno e pré-carga

Roda Traseira: 10 raios, liga leve, 5,50” X 17”
Pneu Traseiro: Pirelli Diablo Rosso II 180 / 50 ZR 17

DIMENSÕES
Peso seco: 175 Kg
Altura do Banco: 805 mm
Distância entre eixos: 1.435 mm

*Dados da Montadora

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo