ManutençãoNotícias

Coluna Mecânica Online® Nº 77 | Desvendando o lubrificante do veículo

Fotos: Divulgação

O automóvel está cada vez mais independente, mas ainda assim, são necessárias algumas manutenções para garantir seu pleno funcionamento. E se você não pretende contribuir para o surgimento de problemas no motor, é importante ficar atento na troca do óleo lubrificante. Um lubrificante vencido exige mais força e aumenta o desgaste dos pistões, entre outras partes. Por isso, ficar atento quanto ao nível do óleo e à data da troca são quesitos básicos para deixar o seu motor mais funcional.

E quais são os tipos de óleo existentes? Basicamente são três. Claro que existem outros, mas estes três são os mais importantes e comumente mais utilizados, principalmente no automóvel.

Óleo Mineral – Atualmente o mais utilizado. Adequado para trocas a cada 5 mil quilômetros em média, este óleo se adapta bem para todos os tipos de motores e cilindradas.

Derivado do petróleo cru, são obtidos após refinação.

Óleo Semissintético ou de base sintética – Uma mistura de bases sintéticas e minerais, na devida proporção, origina os óleos semissintéticos. A mistura busca otimizar a qualidade dos dois tipos de óleo, mas não deve ser feita em seu carro. Somente os produtos fabricados como semissintéticos incluem aditivos estabilizantes na fórmula que evitam a formação de depósitos (borras) que diminuem consideravelmente a sua função anti-atrito. Sua troca, em média, é realizada a cada 10 mil quilômetros.

Óleo Sintético – Criados em laboratório, são mais caro por suas características e matérias-primas. Possuem boa adaptação para diferentes temperaturas e também maior manutenção de suas propriedades, sendo indicado para trocas, em média, a cada 20 mil quilômetros. Para carros de alto desempenho, com motores que atingem alta força e rotação, este é o óleo indicado.

O usuário deve sempre atentar ao manual do fabricante do veículo. É ele quem determina o tipo e frequência que devem ser realizadas as trocas de óleo do motor. A lubrificação consiste essencialmente em separar as superfícies de dois componentes em movimento relativo por meio de uma camada fina de óleo ou graxa, minimizando o atrito. Com o tempo essa camada diminui e o motor começa a trabalhar em alta temperatura. O prazo médio para efetuar a troca de óleo é a cada 5 000 quilômetros.

Muita gente pergunta a razão da baixa do nível do óleo. Normalmente o problema está relacionado ao desgaste natural do motor. As folgas decorrentes do desgaste pode ocorrer uma  maior queima do óleo nas câmaras de combustão.

Não é recomendado misturar minerais com sintéticos – Eles possuem diferentes poderes de solvência e isso pode gerar depósitos no motor, desgaste das superfícies, vazamentos, aumento da corrosão e entupimento no sistema de lubrificação. Por outro lado, existem os óleos chamados semissintéticos. Neste caso, estas misturas são feitas na fábrica de lubrificantes, com controle de qualidade adequado para o carro.

A utilização correta de um lubrificante depende da indicação do fabricante, apresentada no manual do proprietário. É imprescindível que o motorista respeite o tipo de óleo que deve ser colocado no motor, principalmente com relação ao grau de viscosidade do produto.

Utilizo o método tradicional ou o de sucção? – Antes da troca é necessário que o motor tenha permanecido pelo menos 5 minutos em funcionamento. Isso garante que as impurezas fiquem em suspensão e sejam eliminadas. No caso da troca por meio do bujão garante-se o esvaziamento quase total do cárter. Já as máquinas a vácuo fazem uso de sondas de sucção introduzidas no orifício da vareta de medição de óleo. Mas é interessante estar atento, pois cada modelo de motor exige uma sonda de comprimento e forma adequados ao formato interno do cárter.

Troca do filtro de óleo – A função do filtro de óleo é reter todas as impurezas do lubrificante que está no motor. Por isso verifique-o sempre.

MITOS E VERDADES SOBRE ÓLEOS LUBRIFICANTES

O NÍVEL DE ÓLEO CORRETO DEVE ESTAR ENTRE A MARCA SUPERIOR OU INFERIOR DO MEDIDOR. VERDADE – O nível correto, ao contrário do que a maior parte das pessoas normalmente imagina, fica entre o meio do medidor da vareta, ou seja, entre o mínimo e o máximo.

O SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO DAS MOTOS É IGUAL AO DOS CARROS. MITO – No Brasil, a maior parte das motos que vemos nas ruas possui o sistema de lubrificação integrado, que lubrifica motor e transmissão, o que faz com que o lubrificante tenha aditivação diferente para carros e motos.

O ÓLEO RECOMENDADO PELO FABRICANTE É SEMPRE A MELHOR OPÇÃO. VERDADE – O óleo recomendado pelo fabricante é uma opção de compra, porém o consumidor pode escolher outra marca sem ser a recomendada pelo fabricante, desde que o produto atenda as especificações da montadora, como viscosidade, API e/ou JASO.

POSSO USAR O MESMO TIPO DE LUBRIFICANTES PARA AMBOS. MITO – O uso de lubrificantes de carros em motos, em função da lubrificação da integrada com a transmissão, pode ocasionar problemas na embreagem; onde a mesma pode patinar. Sendo assim, não se recomenda o uso de lubrificantes de carros em motos e vice-versa.

OS LUBRIFICANTES DAS MOTOS TAMBÉM TÊM A FUNÇÃO DE REFRIGERAR O MOTOR. VERDADE – Sim, uma das funções do lubrificante é justamente refrigerar e na moto esta função é extremamente importante, pois sabemos que os motores deste tipo de veículo trabalham em alta rotação, o que faz com que a temperatura também seja alta. Desta forma, o óleo ajuda a manter o motor refrigerado, aumentando a sua vida útil.

OS REDUTORES DE ATRITO POTENCIALIZAM O DESEMPENHO DO MOTOR DAS MOTOCICLETAS. MITO – Não é recomendado o uso de aditivos, como os redutores de atrito, em qualquer veículo. Os lubrificantes já são formulados com o pacote de aditivos necessário ao bom funcionamento do veículo e o uso de aditivos, pode desbalancear a formulação, trazendo prejuízos ao desempenho do lubrificante e consequentemente do veículo.

POSSO MISTURAR ÓLEO SINTÉTICO E SEMISSINTÉTICO COM O MINERAL. DEPENDE – Em casos de emergência, podem-se misturar as bases, ou seja, a mistura pode ser realizada entre um óleo sintético/semissintético com o óleo mineral, porém esta pratica é recomendada apenas em casos emergenciais. Os lubrificantes sintéticos ou semissintéticos possuem óleos básicos com características superiores aos óleos minerais. A mistura entre eles gera um desbalanceamento da formulação e, em alguns casos, perda de viscosidade e aditivação, fatores podem comprometer o desempenho do óleo e deficiência de lubrificação no motor.

OS FILTROS DE ÓLEO E DE AR INFLUENCIAM NA LUBRIFICAÇÃO DO MOTOR DA MOTO. VERDADE – Os filtros de óleo e ar desempenham papel extremamente importante. O filtro de óleo, inclusive, ajuda a reter as impurezas que podem estar contidas no óleo, evitando que contaminantes venham causar danos ao motor.

O MOTOR DEVE ESTAR QUENTE NA HORA DA TROCA DE ÓLEO. MITO – Recomenda-se aguardar aproximadamente 10 minutos após parar a moto para  medir o nível do óleo e trocá-lo, se necessário.

Tarcisio Dias – Profissional e Técnico em Mecânica, além de Engenheiro Mecânica com habilitação em Mecatrônica e Radialista, é gerente de conteúdo do Portal Mecânica Online® (www.mecanicaonline.com.br) e desenvolve a Coleção AutoMecânica. E-mail: [email protected]

Coluna Mecânica Online® – Menção honrosa (segundo colocado) na categoria internet do 7º Prêmio SAE Brasil de Jornalismo 2013, promovido pela Sociedade de Engenheiros da Mobilidade.

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo