NotíciasReportagens

Coluna Mecânica Online Nº 76 – Entendendo os diversos tipos de direção veicular

Fotos: Divulgação

É meu amigo, dirigir carro não é mais como antigamente onde apenas pinhão e cremalheira e o esforço do seu braço direcionavam o veículo. O melhor é que temos boas notícias! É cada vez mais comum encontrarmos novas opções de sistemas de direção que oferecem mais facilidades na condução e principalmente, eficiência no consumo da energia produzida pelo motor.

O sistema mais tradicional, denominado direção com acionamento mecânico, é resultado da combinação entre pinhão e cremalheira. Por meio de um mecanismo bastante simples, um conjunto de engrenagens de pinhão e cremalheira é encerrado em um tubo metálico, com cada extremidade da cremalheira saindo do tubo. Uma haste, chamada barra de direção, se conecta a cada extremidade da cremalheira. O pinhão é fixado à árvore de direção. Quando você vira o volante, o pinhão gira e movimenta a cremalheira.

A barra de direção em cada extremidade da cremalheira se conecta ao braço de direção na manga de eixo. O conjunto de engrenagens de pinhão e cremalheira faz duas coisas: converte o movimento de rotação do volante de direção no movimento linear necessário para girar as rodas; proporciona uma redução por engrenagens, o que facilita virar as rodas. Na maioria dos carros, são necessárias três ou quatro voltas completas do volante para fazer com que as rodas se movam de batente a batente (de totalmente à esquerda para totalmente à direita).

A evolução do automóvel também passa pelo sistema de direção. E no passar dos anos foram surgindo novas e importantes alternativas que você encontra nos automóveis atuais:

Hidráulica – É o sistema mais popular, há mais tempo nos carros que circulam no Brasil. A direção fica mais leve graças a uma bomba que faz circular o óleo dentro da caixa de direção. Essa lubrificação auxilia o motorista na hora das manobras. A bomba que impulsiona o óleo é movida pela força do motor. Ou seja, só funciona com o carro ligado. O sistema precisa de manutenção periódica, conforme recomenda o manual do proprietário de cada carro. Em média, o óleo é trocado a cada 50 mil quilômetros. O motorista precisa ficar atento a vazamentos e cuidar o nível do reservatório. Se o óleo estiver acima ou abaixo do nível, a direção ficará pesada.

Eletro hidráulica – O sistema, que muita gente chama de direção elétrica, tem o funcionamento semelhante ao da direção hidráulica. Ou seja, a direção fica mais leve graça ao óleo impulsionado por uma bomba. A diferença é que essa bomba é acionada por um motor elétrico e não pelo motor do carro. Isso evita a perda de potência do carro. O sistema também precisa de manutenção periódica, acompanhamento do nível de óleo e troca do fluído nos prazos recomendados pela montadora.

Eletromecânica – Com volante confortavelmente fácil de girar com o veículo parado ou manobrando e, em altas velocidades, é esportivamente firme e tem comportamento extremamente preciso. Diferentemente de outros sistemas de direção hidráulica, o motor elétrico com controle eletrônico consome energia exclusivamente quando o volante é realmente acionado. Sensores detectam o torque necessário para mudança de direção e a velocidade na qual o condutor está girando o volante, e então, transfere essas informações para a unidade de controle de direção sob a forma de um sinal elétrico. Essa unidade de controle usa esses dados para calcular quanto auxílio de direção é necessário e aciona com exatidão o servomotor. Isso permite economia de combustível da ordem de 0,1 a 0,2 litro/100 km, em relação a sistemas convencionais de direção hidráulica.

Elétrica – Não há óleo no sistema de direção. Junto à caixa de direção está fixado um motor elétrico que auxilia os braços da direção a ficarem mais leves. Ele é muito mais prático, pois elimina o óleo, mangueiras, correias e polias. O único problema que pode ocorrer é pane no sistema elétrico. Se isso acontecer, porém, a direção ficará pesada, mas não irá travar. O motorista seguirá com o controle do carro. A grande vantagem é que além do excelente conforto, traz como principal vantagem em relação aos sistemas de assistência hidráulica o fato de só demandar energia quando necessário.

O que temos de melhor na direção elétrica é a precisão nas manobras e menor esforço. Dessa forma observamos o menor consumo de energia do motor, ausência de fluido (o que reduz a manutenção e é benéfico ao meio ambiente) e a facilidade ao fabricante de ampliar a assistência quando desejado, como no sistema Dual Drive, oferecido no Fiat Bravo, que por meio de um botão no console aciona a função City, que torna a direção 50% mais leve.

A direção elétrica proporciona mais leveza nas manobras com o carro parado e mais segurança em velocidades mais altas. Esse tipo de direção é um sistema totalmente elétrico, independente do motor. Apresenta melhor eficiência na utilização do espaço do compartimento do motor, operação menos danosa ao meio ambiente, maior flexibilidade de projeto e maior economia de combustível, graças à redução das perdas de energia do motor.

Este projeto elimina bombas e mangueiras e reduz o tempo de trabalho manual na montagem. A direção elétrica possui uma regulagem mais fina. Na assistência hidráulica, utilizada na maioria dos veículos, a força é feita por uma pressão hidráulica. Esta, está sujeita a vazamentos de fluido hidráulico, o que não acontece na elétrica. A direção elétrica possui sensores que informam a velocidade do veículo e a rotação aplicada pelo motorista ao volante a uma central de controle (UCE). Com estas informações, a central determina a direção e a intensidade da assistência e controla um motor elétrico que atua na coluna de direção.

Este motor elétrico possui um torque que varia de acordo com a necessidade da assistência calculada pela central. Existem diferentes opções de dirigibilidade aumentando (ex.: manobras com o veículo parado), ou diminuindo (ex.: estradas), o grau de atuação do motor elétrico; A UCE possui autodiagnóstico que checa todas suas funções, monitorando qualquer problema. Em alguns países, a direção elétrica já pode ser instalada em um veículo que não possua este dispositivo instalado em sua fabricação.

Num futuro próximo o controle da direção estará integrado com os sistemas de suspensão e frenagem, proporcionando aos motoristas maior segurança e estabilidade.

Entenda um pouco mais sobre a direção com assistência elétrica:

·         A direção elétrica é um sistema independente do motor, totalmente elétrico;

·         Sua função é auxiliar o motorista, reduzindo seu esforço e proporcionando maior conforto e mais precisão nas manobras;

·         Dispensa a tradicional bomba hidráulica e fluido utilizados nos antigos sistemas de direção hidráulica. Por isso é considerada ecologicamente correta;

·         A direção elétrica possibilita uma economia de combustível de até 5%, por não consumir potência direta do motor e não estar ligada diretamente a ele por nenhum tipo de correia. Proporciona também redução de ruídos e do peso do veículo.

Tarcisio Dias – Profissional e Técnico em Mecânica, além de Engenheiro Mecânica com habilitação em Mecatrônica e Radialista, é gerente de conteúdo do Portal Mecânica Online® (www.mecanicaonline.com.br) e desenvolve a Coleção AutoMecânica.
E-mail: [email protected]

Coluna Mecânica Online® – Menção honrosa (segundo colocado) na categoria internet do 7º Prêmio SAE Brasil de Jornalismo 2013, promovido pela Sociedade de Engenheiros da Mobilidade.

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo