AvaliaçõesTestesVW

Avaliação – Volkswagen Gol Rallye 1.6 VHT Total Flex 2011

Ainda na parte externa foram adicionados vários adereços aventureiros, mas nada exagerado, que deixou o modelo com linhas bem harmoniosas. Na parte dianteira destaca-se a grade em preto com a designação “Rallye” escrita em uma faixa em prata Cyclone, que faz conjunto com o pára-choque, que tem faróis auxiliares de dupla função (neblina e longo alcance) integrados, com uma régua na cor preta com detalhe em Prata Cyclone. Visto de lado, nota-se logo a nova faixa na cor preta, criando um efeito de cunha, com o nome da série na extremidade da roda traseira. Também foram aplicadas molduras nas caixas de rodas, e as maçanetas e a coluna central em preto fosco. Sob as portas, a soleira também tem acabamento preto, com uma faixa inferior central prata. Destaque para as rodas de liga leve de 15 polegadas, idênticas as da Saveiro Cross. Um item inédito nessa categoria é a introdução dos retrovisores externos, com os indicadores de direção incorporados ao corpo do espelho (side blinkers). Na parte traseira os destaques ficam para o novo aerofólio, na cor preta e o para-choque trazendo na parte central inferior, um difusor em Prata Cyclone. Para apelar para a esportividade à montadora resolveu instalar uma ponteira do escapamento cromada, além das lanternas escurecidas, dando um certo ar tuning ao modelo.

O interior é bem simples e composta por muito plástico, uma das causas dos constantes barulhos durante todo o teste. O Gol Rallye sofreu algumas alterações comparado aos modelos de série, como o acabamento em tonalidades escuras, assim como o teto e as colunas laterais e do vidro, realçando o painel, console, bancos e tapeçaria das portas. O painel tem pintura especial texturizada na parte superior, com destaque para as aberturas de ventilação com molduras metálicas e iluminação com Leds. A série pode ser identificada no interior com o logotipo “Rallye” presente no pomo da alavanca do câmbio, assim como na parte superior dos assentos dianteiros. Para quem viaja atrás, pode contar com luzes de leitura individuais, posicionadas no teto, além do aperto, onde o ideal seriam colocar só duas pessoas nos bancos de trás, com, no máximo, uma criança. Durante a avaliação fez falta um volante mais macio, mas nada que impeça o motorista de ter uma boa relação com a direção do veículo. O modelo aventureiro, na versão manual vem com vários equipamentos de série exclusivos, como sensor de estacionamento, abertura elétrica da tampa traseira e espelhos retrovisores externos com sinalizadores de direção. Opcionalmente é oferecida uma transmissão automatizada I-Motion (ASG), computador de bordo (com alerta de velocidade, autonomia, consumo médio e instantâneo de combustível, distância percorrida, tempo de viagem e velocidade média), ar-condicionado, airbag duplo, freios ABS e volante multifuncional e com paddle shifts incorporados – idêntico ao usado no Passat CC produzido na Alemanha -, entre outros equipamentos. O modelo ainda trás algum conforto, como direção hidráulica, trio elétrico, preparação para sistema de som com seis alto-falantes e antena, volante ajustável na altura e profundidade, limpador e desembaçador do vidro traseiro.

O Gol Rallye está equipado com o enxuto motor 1.6 VHT Total Flex (EA-111), nada mais justo, já que a montadora julga o modelo com um compacto com apelo esportivo, o propulsor trabalha em conjunto com a excelente transmissão manual MQ200, com cinco marchas, com engates precisos e macios, característica comum entre os modelos da marca. Na versão manual a performance é mais exaltada, com etanol no tanque o Gol Rallye acelera de 0 até 100 km/h em 10,3 segundos, enquanto que com gasolina esse número aumenta para 10,6 segundos (dados do fabricante), as ultrapassagens são feitas sem medo, o motor enche rápido e dá segurança ao motorista o tempo todo. Sua velocidade máxima é de 180 km/h com utilização de gasolina (E 22) e 182 km/h com etanol (E100). O Gol Rallye é oferecido em cinco cores, três delas sólidas (branco Cristal, vermelho Flash e preto Ninja) e duas metálicas, cinza Spectrus e prata Sirius, além da cor especial de lançamento, amarelo Solaris. Os preços partem de R$ 41.260 para a versão com câmbio manual e R$ 43.960 para a versão I-Motion (completa chega a R$ R$ 52.530). A versão avaliada pelo CarPoint News, a mais completa da gama com câmbio manual, custa R$ R$ 49.830. Mas pagar quase R$ 50 mil em um Gol é um exagero.

[nggallery id=32]
Página anterior 1 2 3Próxima página
Etiquetas

Artigos relacionados

2 Comentários

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo