AvaliaçõesTestesToyota

Avaliação – Toyota RAV 4 – 4×2 2.4 VVTi 2011

Fotos: Marcus Lauria

O CarPoint News teve a oportunidade de avaliar por uma semana o Toyota RAV4 com tração 4×2, a nova versão foi apresentada no Brasil em novembro do ano passado e já está em sua terceira geração. O SUV da marca japonesa chega mais barato para fazer frente aos seus maiores rivais, o Honda CR-V, Hyundai ix35 e Tucson, Kia Sportage e Chevrolet Captiva. A versão com tração nas duas rodas tem sua razão de existir, em um mercado cheio de opções, o consumidor que compra esse tipo de veículo acaba nem utilizando ele na terra, rodando apenas no asfalto e acaba que dispensam a tração 4×4. A diferença é que esse tipo de veículo é mais espaçoso, confortável e geralmente tem um motor razoavelmente forte – no caso do RAV4 , o mais potente da categoria -, suficiente para carregar a família e a bagagem em uma viagem longa sem ter que passar por apertos de um sedan médio.

A Toyota apresentou pela primeira vez o RAV4 4×2 no Salão do Automóvel de São Paulo como integrante da linha 2011. O SUV está prestes a sofrer uma mudança total em sua carroceria e interior, se preparando para a próxima geração. Por isso, é bom ter cautela na hora de adquirir esse modelo 2011, pois deverá sofrer uma grande desvalorização. A versão cedida pela Toyota para avaliação tem preço de R$ 92.500, completa, com quase tudo que se tem direito em um SUV dessa faixa de preço. A versão com tração nas quatro rodas custa R$ 14.300 a mais, ou seja, R$ 106.800 e vem bem mais completa, com banco de couro, teto solar entre outros itens. A Toyota espera que o RAV4 alcance 75% do mix das versões vendidas e triplicar o total de emplacamentos dos atuais 2.000 anuais, somente em janeiro foram comercializadas 300 unidades, e dessas 215 da versão 4×2.

O RAV4 é um excelente carro, apesar de sua carroceria já estar defasada em relação a concorrência, mas mesmo assim, o modelo continua atraente. Por dentro não falta espaço para todos os ocupantes, ao entrar no carro nota-se logo a posição de dirigir alta, característica dos SUVs. Um fato que se destaca nessa versão menos equipada é o fato de se achar logo uma boa posição de dirigir, mesmo sem as mordomias do banco elétrico (item de série na versão 4×4), tudo isso devido às várias regulagens manuais oferecidas para quem vai atrás do volante, como distância, altura e inclinação, assim como o volante, que te regulagem de altura e profundidade. Com um amplo espaço interno, quem vai atrás se sente em um grande salão, além do assoalho plano, os passageiros tem a possibilidade de regular os bancos, tanto para frente, quanto para trás, no centro do banco traseiro ainda existe um porta-copos retrátil, que é muito útil em viagens. O porta-malas é bem espaçoso, carrega até 540 litros, mas a sensação é que ele tem capacidade para mais bagagem, o compartimento conta com um fundo falso, onde seria o estepe, que serve para guardar alguns objetos pequenos e ainda oferece várias redes para segurar sacolas ou algo menor. O interior é regado de porta-trecos, além dos tradicionais localizados nas portas, existem porta-copos no console central, porta-óculos no teto e dois porta-luvas.

[nggallery id=21]
1 2 3Próxima página
Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo