AvaliaçõesRenaultTestes

Avaliação – Renault Sandero Privilège Automatic 1.6 16V 2012

Fotos: Marcus Lauria

Depois da boa receptividade que a Renault teve com o Sandero no Brasil, a montadora passou a oferecer em julho do ano passado a versão com câmbio automático, somente na versão topo de linha Privilège, com preço sugerido no site da Renault de R$ 44.190. Fizemos o teste do modelo e vamos às impressões.

Por fora, o Sandero automático só se diferencia dos demais modelos pela inscrição “automatic” na traseira. Passando ao interior, temos um habitáculo espaçoso, estofamento confortável e com costuras de boa qualidade, painel bem decorado e ergonômico e a debutante alavanca de câmbio automático. A empunhadura é boa e fácil, porém o acabamento da caixa é simples e pobre, um plástico preto ausente de qualquer adorno, destoando do restante do interior.

Outra falha que percebemos, foram os caracteres que representam as posições do câmbio não são iluminados, e para os iniciantes no modelo a operação durante a noite pode ficar complicada, mas para os desavisados, a indicação da marcha aparece em uma pequena tela no centro do painel de instrumentos, junto com o computador de bordo.

O rádio original do modelo é um pouco grande, com botões que poderiam ser menores, fator esse, que acabou prejudicando a ergonomia para acessar os comandos do ar-condicionado. O motorista precisa se curvar um pouco para ajustar os controles. O comando do retrovisor elétrico localizado atrás da caixa automática, ficaria numa posição melhor se estivesse na porta do motorista, de onde, por exemplo, se controla a abertura e fechamento de todos os vidros.

Bem, se essas pequenas falhas de localização e acabamento não lhe incomodarem, na hora de dirigir a sensação é bem agradável. O câmbio automático de quatro velocidades realiza bem as trocas de marchas sem incomodar o motorista com trancos, ao contrário das caixas automatizadas da maioria dos concorrentes do segmento . Nas reduções, a suavidade também está presente e não incomodam o motorista. Numa pisada mais forte no acelerador, o sistema reduz uma marcha para entregar mais torque, chamado de “kick down”.

Estando em “D” (Drive) e movendo a alavanca para o lado esquerdo, é acionada a opção para trocas manuais. Nesse formato a sensação de dirigir permanece boa, com o câmbio respondendo muito bem aos comandos do motorista. Segundo a Renault, um sistema lê os parâmetros da forma de dirigir para se adaptar ao estilo do motorista.

CONTINUA NA PÁGINA 2

1 2 3Próxima página
Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

7 Comentários

  1. Comprei um Sandero Privilege automático 2012 e com 45 dias de uso o carro teve que retornr para conessionária para trocar o suporte do motor, o coxim do motor e o semi-eixo do lado direito. É demais para um carro 0km né?!
    Estou muito decepcionada com a Renault!

  2. Caro Ilson.

    Eu realizei a avaliação acima. O consumo km/l varia com a forma de dirigir do motorista, quem pisa mais forte vai gastar mais.

    O conforto do câmbio automático tem seu preço: Se você conseguir 10 km/l neste Sandero, é um marca excelente. Ele fica com média de 6 a 8 km/l.

    Abraço.

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo