AvaliaçõesGMTestes

Avaliação – Chevrolet Malibu LTZ 2.4 16V Aut. 2010

Fotos: Marcus Lauria

Lançado em 2006 nos Estados Unidos e reestilizado em 2008, o Malibu chega ao Brasil para disputar uma posição no segmento dos sedans médios premium. Posicionado estrategicamente entre o Vectra e o Omega, segundo a montadora, a estratégia é tentar fidelizar o cliente da marca que tem um Vectra e pretende migrar para um modelo superior, mas que ainda não é o Omega. Com um certo “ar” de exclusividade, a Chevrolet pretende vender apenas 200 unidades por mês, onde o consumidor terá de encomendar o veículo por meio da rede de concessionárias. O modelo também chega recheado de conforto e segurança, um atrativo a mais para o consumidor.Por fora, a Chevrolet quis manter uma mistura de linha clássica dos antigos modelos da marca, com detalhes mais modernos.

Como por exemplo, a parte traseira do Malibu, que segundo a montadora, tem as lanternas redondas inspiradas nas do esportivo Corvette. Visto de frente, surge o novo “DNA” da Chevrolet, que já começou a ser aplicado nos modelos feitos no Brasil (o Agile foi o primeiro). Ainda na parte externa, destaque para as enormes rodas de alumínio de 18 polegadas, com desenho esportivo, calçadas com pneus 225/50 R18. O Malibu mede 4,87 metros de comprimento, 1,78m de largura e 1,45m de altura, medidas essas que são sentidas em locais apertados, como a minha garagem, onde foi necessário muita paciência para colocar e tirar todos os dias, para evitar possíveis avarias nos pára-choques, nessa hora senti falta do sensor de estacionamento. Chama a atenção a linha de cintura alta e os para-lamas pronunciados, deixando um aspecto robusto ao sedan.

Na parte interna não faltam itens de conforto, tanto para o motorista, quanto para os passageiros. A posição de dirigir é fácil de achar, o confortável banco de couro de ótima qualidade tem ajuste elétrico em todas as posições, além do ajuste lombar e a opção de aquecimento, que será pouco usado no Brasil. O passageiro também tem as mesmas regalias, mas sem a opção do ajuste lombar. O volante, com desenho de gosto duvidoso, tem regulagem de altura e distância. Por dentro é possível perceber detalhes que imitam madeira no painel, portas e console central. O plástico das portas ficam devendo em qualidade, pois são um pouco desagradáveis ao toque. Algumas falhas são notadas no habitáculo, como a ausência de luz no porta-luvas, que é pequeno, ainda é sentida a falta de encosto de cabeça central e apoio para o braço do banco traseiro, vidro elétrico “one touch” para todas as portas (só tem para o motorista), ausência de indicação da marcha no painel. O som da famosa marca Bose tem comandos no volante, que divide a atenção com as funções do computador de bordo e as aletas para as trocas de marcha manual.

Tirando algumas falhas no acabamento, o Malibu chega recheado de tecnologia, não faltam airbags (6) com sensores presenciais (são ativados conforme o peso da pessoa, no caso, se uma criança estiver no banco do passageiro sua ação será mais “suave”), sistema de freio ABS, EBD , PBA (assistente de frenagem de urgência, que aplica força completa do freio) , monitor de pressão dos pneus, aviso de troca de óleo, espelhos retrovisores externos eletrocrômicos, entre outros. Um detalhe interessante é o acionamento do motor e ar-condicionado por controle remoto. Ficou faltando um sensor de estacionamento dianteiro e traseiro como item de série. O Malibu recebeu cinco estrelas na avaliação do National Highway Traffic Safety Administration (NHTSA) e a indicação “Top Segurance” do Insurance Institute for Highway Safety (IIHS).

O Malibu chega equipado com o mesmo motor da Captiva de entrada, ou seja, um Ecotec 2.4, com bloco e cabeçote em alumínio, que desenvolve 171 cv de potência e 22 kgfm de torque máximo. Segundo o fabricante, o modelo alcança uma velocidade máxima de 194 km/h e atinge os 100 km/h em 10,9 segundos. O consumo é de 9,4 km/l na cidade e 14,5 km/l na estrada, porém, no modelo avaliado, rodando praticamente o tempo todo em perímetro urbano, com o ar-condicionado ligado, o consumo que estava acusando no computador de bordo foi de 5,0 km/l. Em conjunto com o silencioso motor está a transmissão automática de seis velocidades, que oferece trocas suaves e sem trancos para o motorista desfrutar a potência bem distribuída do propulsor, trocas que também podem ser feitas manualmente no volante. No Brasil, o Malibu recebeu algumas alterações.

A Chevrolet priorizou a recalibragem dos amortecedores e a suspensão ficou mais firme, que foi alterada para aumentar a durabilidade e foi elevada em 2,5 cm de altura para rodar em nosso país.A Chevrolet diz que o Malibu é um veículo voltado ao público masculino de mais de 45 anos, seu preço é de R$ 89.900 e só é vendido aqui no Brasil em sua versão de acabamento mais completa no mercado norte-americano, a LTZ. Nos Estados Unidos a mesma versão custa US$ 27.675 (ou R$ 48.431, 25), aqui ele concorre diretamente com o Ford Fusion (R$ 82.160) e o Hyundai Azera (R$ 90.000). Como opcional são oferecidos DVD no encosto de cabeça e sensor de estacionamento.

1 2Próxima página
Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo