Coluna Mec√Ęnica Online | Uma nova vis√£o mostra o futuro da intera√ß√£o homem-m√°quina no transporte

Postado em: 10, janeiro 2019 por Tarcisio Dias

A pressão por mudanças no futuro e planejamento de tráfego dificilmente poderia ser maior. Uma população crescente e a tendência sustentada de urbanização aumentarão a demanda por mobilidade confortável e acessível.

Desenvolvimento profissional, diversidade cultural e a sensação de fazer parte de uma região pulsante Рmuitas cidades ocidentais como Nova York ou Londres inspiram esse tipo de motivação.

Outras megacidades como Manila, São Paulo e Mumbai estão crescendo porque a esperança da participação social está levando a população rural para as cidades.

E como reagir e se preparar para essa tendência sem volta? Algumas megacidades estão reagindo à ameaça de colapso do tráfego com medidas drásticas.

Pequim é um exemplo: pode ter oito faixas de largura, mas o tráfego ainda engatinha no ritmo de um caracol pela capital chinesa.

√Č por isso que novos registros de ve√≠culos est√£o sendo emitidos com base em uma loteria mensal. Em Xangai, novas inscri√ß√Ķes s√£o decididas por leil√£o.

Esses exemplos mostram que os conceitos futuros devem repensar a mobilidade.

Incorporar uma variedade de diferentes modos de transporte é um fator central no uso efetivo de recursos e oportunidades da economia compartilhada.

O desejo de mobilidade e a cria√ß√£o de cidades que realmente funcionem n√£o devem ser contradi√ß√Ķes.

A mobilidade eficiente baseada no compartilhamento de conceitos com ve√≠culos aut√īnomos e a mobilidade intermodal tamb√©m mudar√° a face das cidades.

O volume de tráfego cairá, estradas e estacionamentos anteriormente ocupados podem ser aliviados ou mesmo recuperados, liberando espaço para o planejamento da cidade.

Isso significa novos bairros, parques, cafés Рtudo o que faz a vida na cidade valer a pena.

A avaliação dos dados de tráfego em tempo real promete uma mobilidade mais eficiente.

Com base na situação atual do tráfego, os sistemas de informação calculam não apenas a conexão mais rápida, mas também consideram todos os modos de transporte.

O sistema din√Ęmico oferece a maior flexibilidade poss√≠vel e adapta continuamente o plano de viagem do viajante.

Menos tr√°fego e menos ru√≠do emparelhado com um n√≠vel crescente de mobilidade – vis√Ķes para a cidade do ano de 2036 como o Vision URBANETIC prometem, em sua totalidade, maior qualidade de vida para todos. O tr√°fego funciona de acordo com uma nova ordem fundamental.

Conceitos de mobilidade futuros, como o Vision URBANETIC, ir√£o fundamentalmente mudar a perspectiva e colocar o foco em como cobrir um percurso com uma combina√ß√£o preferida de diferentes modos de transporte, da forma mais confort√°vel, econ√īmica e r√°pida poss√≠vel.

Esse √© o conceito de mobilidade revolucion√°ria em resposta √†s quest√Ķes do futuro, apresenta na Consumer Electronics Show (CES), em Las Vegas, pela Mercedes-Benz Vans e sua vis√£o URBANETIC, um estudo que abre novas perspectivas sobre a condu√ß√£o aut√īnoma.

Permite o transporte baseado em necessidades, sustent√°vel e eficiente de pessoas e bens – e atende √†s necessidades de cidades, empresas de uma ampla gama de ind√ļstrias, bem como viajantes e passageiros de maneiras inovadoras.

O conceito reduz os fluxos de tr√°fego, alivia as infraestruturas do centro da cidade e contribui para uma nova qualidade de vida urbana.

Ao mesmo tempo, oferece uma perspectiva sobre tecnologias orientadas para o futuro para a interação entre humano e máquina.

O conceito vision√°rio baseia-se em um chassi acionado eletricamente e de acionamento autom√°tico, que pode transportar estruturas para o transporte de passageiros ou de mercadorias.

Como um veículo totalmente conectado em rede, o Vision URBANETIC faz parte de um ecossistema no qual os desejos de mobilidade comercial e privada são transmitidos digitalmente.

A Vision URBANETIC coleciona essas necessidades e as cumpre com uma frota altamente flexível, facilitando uma melhoria considerável no uso de recursos.

Usando v√°rios sistemas de c√Ęmeras e sensores, o ve√≠culo percebe totalmente seu entorno na sua totalidade e se comunica ativamente com ele.

Os pedestres que atravessam a rua em frente a ele s√£o informados pela exibi√ß√£o de grande formato na frente do ve√≠culo atrav√©s de anima√ß√Ķes especiais que foram percebidas.

Uma função similar é cumprida pelo sombreamento digital que torna a área da porta lateral uma exibição ativa.

Várias centenas de unidades de luz sinalizam às pessoas que se aproximaram que foram reconhecidas. Seus contornos são mostrados esquematicamente na carroceria externa.

Os pedestres ou ciclistas podem avaliar as pr√≥ximas a√ß√Ķes do ve√≠culo de forma r√°pida e confi√°vel.

O conceito integra uma infraestrutura de TI que analisa a oferta e a demanda em tempo real.

O resultado √© uma frota aut√īnoma cujas rotas s√£o planejadas de forma flex√≠vel e eficiente, com base nas necessidades atuais de transporte.

Gra√ßas √† rede completa, avalia√ß√£o de informa√ß√Ķes locais e controle inteligente, o sistema pode n√£o apenas analisar os requisitos atuais, mas tamb√©m aprender com eles.

Assim, é capaz de antecipar e responder a necessidades futuras.

Este processo pode ser otimizado, encurtando os tempos de espera no tr√°fego local de passageiros ou o congestionamento pode ser evitado.

No Vision URBANETIC, uma inovadora interface homem / máquina (IHM) garante uma comunicação fácil e intuitiva para os passageiros e o meio ambiente.

Ela também fornece a estrutura de interação para toda a comunicação necessária entre o veículo e, por exemplo, pedestres e ciclistas.

As telas de LED no módulo de movimentação de pessoas permitem que os passageiros identifiquem com clareza o Vision URBANETIC alocado.

C√Ęmeras no lado direito do ve√≠culo e sensores de 360 graus reconhecem se pedestres ou ciclistas est√£o nas imedia√ß√Ķes, o que significa uma dist√Ęncia entre 30 cent√≠metros e dois metros. O sombreamento digital usa LEDs no exterior para projetar uma sombra da silhueta da pessoa na lateral do ve√≠culo.

Um total de 40 metros de tiras de LEDs contém centenas de LEDs individuais que podem mudar de cor.

Essa intera√ß√£o garante aos ciclistas, por exemplo, que a Vis√£o URBAN√ČTICA os viu e agir√° de acordo.

A Vision URBANETIC utiliza a comunica√ß√£o atrav√©s de uma plataforma padronizada para interagir com outros ve√≠culos e usu√°rios da via e para reconhecer sinais de tr√Ęnsito.

A interação com os passageiros é mais complexa, já que eles estão acostumados a se comunicar com um ser humano.

Para construir confiança e aliviar a incerteza, a HMI em Vision URBANETIC deve garantir que todos os processos, desde a reserva de uma viagem até a saída do veículo no destino, sejam tão simples e autoexplicativos quanto possível.

A reserva por meio de um aplicativo é o ponto de partida. Uma vez feita uma reserva de viagem, o aplicativo mostra onde o usuário pode embarcar.

Al√©m disso, o usu√°rio recebe um n√ļmero de ve√≠culo de dois d√≠gitos, a cor da tela e um avatar auto escolhido.

Quando o Vision URBANETIC se aproxima do ponto de encontro, o n√ļmero e o s√≠mbolo s√£o mostrados na exibi√ß√£o lateral na cor selecionada.

O estado do veículo (espera, condução) é comunicado ao mundo exterior através de um display front-end na grelha do radiador. Quando o veículo arranca e está prestes a partir, os sensores são acionados visivelmente como um sinal para o mundo exterior de um movimento iminente.

Fonte: Tarcisio Dias

Tag Cloud

Deixe um comentario

(*) Campos obrigatórios
ATENÇÃO: Todos os comentários postados nesse site, terão que ser aprovados pelo moderador e não irá aparecer automaticamente. Não serão permitidos comentários ofensivos contra a marca e os leitores, como palavrões. O texto tem que ser digitado em letras minúsculas respeitando as regras da nossa gramática. Comentários que não sejam sobre o assunto da matéria serão descartados. Ao postar um comentário, quer dizer que você concorda coma s regras acima. Obrigado.

© COPYRIGHT2019 CarPoint News - Todos os direitos reservados É proibida a reprodução de conteúdo deste site em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico, sem autorização por escrito