Avaliação – Volvo XC40 2.0 T4 2019

Postado em: 13, julho 2018 por Andre Richers

Fotos André Richers – Veículo cedido pela concessionária AB Gotland Volvo

A convite da AB Gotland Volvo, testamos o grande lançamento da Volvo para 2018, o novo SUV XC40. No primeiro contato, a classificação de utilitário compacto não faz jus ao porte do carro. Ao chegarmos na concessionária, ele se encontrava estacionado lado a lado de seu irmão maior XC60. Os dois possuem a mesma altura (1,65 m) e praticamente a mesma largura (1,86 m do XC40 contra 1,90 m do XC60). As maiores diferenças são no entre-eixos (2,70 m X 2,86 m) e no comprimento (4,42 m X 4,69 m).

Na dianteira os faróis Full LED com iluminação diurna no conhecido formato do martelo de Thor são o grande destaque. A grade, diferentemente dos irmãos XC60 e XC90 que têm formato plano, é côncava e mais proeminente na sua parte superior. Para completar o visual “invocado”, o capô possui vincos marcantes.

 Na lateral, não há a presença de área envidraçada na coluna C e a linha de cintura sobe ao final da janela da segunda fileira. Dependendo da versão, o teto pode vir em outra cor. Na parte debaixo das portas há um vinco responsável por deixar o visual mais musculoso.
Por fim, como é de costume nas traseiras dos wagons e SUVs Volvo, as lanternas em LED afinam junto com a linha de cintura e chegam até o teto do carro.

Internamente o painel de instrumentos digital personalizável de 12,3” e a tela de 9” sensível ao toque localizada no console central remetem aos irmãos maiores. As diferenças ficam por conta do desenho das saídas de ar, o uso de diferentes materiais de acabamento no console e pelo diferente design e ergonomia dos bancos.

A forração das portas utiliza um material acarpetado ao invés do uso de couro. A aplicação deste acabamento em um primeiro olhar chama a atenção, mas tem motivo. Como não há alto-falantes na parte de baixo das portas, este material tem função antiderrapante os objetos ali depositados e uma melhor forração acústica para a cabine. Além disso, este material é oriundo da reciclagem de garrafas PET. O couro sem dúvidas ficaria mais bonito, mas talvez menos funcional.           

O espaço para os ocupantes tanto na primeira fileira quanto na segunda é muito bom, levando-se em consideração uma pessoa de 1,80 m de altura. Regulada a posição do assento dianteiro, senta-se com conforto e com bom espaço para as pernas na segunda fileira (sem encostá-las no banco dianteiro). A ampla regulagem de altura do assento do motorista agrada aos mais diversos tipos de condutores, desde uma posição bem próxima do assoalho e distante do painel até uma posição bem elevada e próxima do volante. Faltou apenas uma regulagem de inclinação para o encosto de banco da segunda fileira.

O compartimento de bagagem entrega 460 litros e soluções criativas como divisória de compartimento com alças para sacolas e um espaço embaixo do assoalho para guardar a bandeja e liberar espaço até o teto do carro.

   

Nos foi cedido para teste o XC40 T4 2019, versão de acesso do crossover. Esta variante é oferecida com o 2.0 turbo Drive-E que entrega 190 cv, 30 kgf.m de torque à 1500 rpm. Este motor trabalha em conjunto com o câmbio Geartronic automático de 8 velocidades e a tração é dianteira.   As versões Momentum e R-Design são equipadas com o motor T5, um 2.0 turbo também, mas remapeado para entregar 252 cv e 35 kgf.m de torque. O câmbio é o mesmo Geartronic de 8 velocidades, mas a tração é integral (AWD).

Todas as 3 versões já oferecem de série conjunto óptico Full LED, sensor traseiro de estacionamento, assento do motorista com regulagens elétricas e memórias de posição, ar condicionado digital, sistema keyless de partida sem chave na ignição, faróis com sensor crepuscular, sensor de chuva, 6 airbags, piloto automático, freio de estacionamento elétrico com função Autohold e controles de tração e de estabilidade. Para auxiliar à condução, o carro dispõe de alerta de mudança de faixa com assistente de direção, sistema de alerta ao condutor (DAC), sistema de frenagem automática (City Safety) e sistema de proteção em saída de estrada (Run-Off Road).

Ao apertar o botão de partida, acendem o painel de instrumentos todo digital e o display central. O volante tem diâmetro reduzido e no seu lado direito traz comandos para acesso ao sistema de áudio, botão para realizar e receber chamadas telefônicas e acesso as funções do computador de bordo. Do lado esquerdo, localizam-se os botões para controlar o piloto automático. Por mais R$ 5.000,00 esta versão já pode vir com o piloto automático adaptativo e com condução semiautônoma, trazendo maior comodidade e diversão para o dia a dia. Afinal, qual outro carro nessa faixa de preço controla para você a direção, a aceleração e a frenagem?

A alavanca de câmbio é minimalista e a troca de marchas de (P) para (D) é feita de maneira bem suave, não sendo necessário apertar nenhum botão. Para colocar o câmbio na posição (P), no entanto, é necessário apertar um botão separado ao lado da alavanca. Para confirmar se a posição do câmbio se alterou, é preciso olhar o painel de instrumentos.

Colocado o cinto de segurança, basta pisar no pedal do acelerador para o freio de mão elétrico liberar. O rodar do carro é bem suave e nova plataforma CMA (Compact Modular Architecture) lançada pela Volvo no XC40 agrada. A suspensão dianteira do tipo McPherson e a traseira Multilink, atreladas ao conjunto de rodas aro 18” com pneus perfil 235/55 trazem conforto e absorvem bem as imperfeições de nossas ruas esburacadas.

De dentro do carro tem-se ótima visibilidade, devido principalmente pela posição elevada do assento do motorista que fornece visão de toda a dianteira do carro. Os retrovisores externos possuem bom tamanho e o retrovisor interno agrada aos olhos com sua borda infinita.

O display central de 9” sensível ao toque dá acesso a todas as funções do carro e é bem intuitivo. Os ícones têm tamanho adequado e consegue-se acessar facilmente qualquer função do mesmo com o carro em movimento. A versão testada não vem com sistema de GPS de série, mas com o sistema Android Auto ligado é possível acessar o Waze ou o Google Maps.

O carro roda com suavidade e leveza até que se pise com vontade no acelerador. Todo torque é entregue rapidamente à 1500 rpm. Em seguida, o turbo é colocado para trabalhar e sem perceber já se está acima de 100 km/h. À 5500 rpm o motor oferece todos os seus 190 cavalos. Se o desempenho surpreende nesta versão com o motor T4, as versões com o motor T5 são ainda mais esportivas. O câmbio Geartronic é inteligente e se adequa a condução, trazendo trocas de marchas rápidas e com leveza. Ao pisar no pedal do freio, a resposta é imediata e sem brutalidade.

Durante o nosso teste, o consumo urbano com o ar-condicionado ligado e com alguns momentos de trânsito ficou em 8,9 km/l. Com a função Eco Mode ativada, faz-se um uso otimizado do ar-condicionado e o consumo de combustível tem uma leve melhora. Todas as versões do XC40 são movidas apenas a gasolina e a recomendação é o uso do combustível de alta octanagem.

A versão T4 traz um bom pacote de itens de série e oferece um conjunto mecânico divertido e muito bem acertado, com desempenho superior a concorrentes diretos como Audi Q3 1.4 e MB GLA 200. Por outro lado, cobra-se mais por isso.

 Uma opção interessante seria a Volvo oferecer esta versão de acesso com o motor T3, um 1.5 turbo tricilíndrico de 156 cv. Posicionando-o na faixa de R$ 150.000,00, certamente a Volvo roubaria vendas de SUVs de marcas “não premium”. Outra possibilidade seria manter o preço de R$ 169.950,00, mas oferecer mais itens de série como câmera de ré, sensor dianteiro de estacionamento e alerta de ponto cego e de tráfego lateral traseiro (não disponível no modelo).

*FICHA TÉCNICA:

Mecânica

Motorização 2.0

Combustível            Gasolina

Potência (cv)            190

Torque (kgf.m)         30,6

Velocidade Máxima (km/h)            220

Tempo 0-100 (s)      6,8

Consumo cidade (km/l)      8

Consumo estrada (km/l)    10,2

Câmbio          automática com modo manual de 8 marchas

Tração           dianteira

Direção          eletro-hidráulica

Suspensão dianteira          Suspensão tipo braços triangulares e dianteira com barra estabilizadora, roda tipo independente e molas helicoidal.

Suspensão traseira            Suspensão tipo multibraço e traseira com barra estabilizadora, roda tipo independente e molas feixe de lâminas.

Freios            Quatro freios à disco com quatro discos ventilados.

Dimensões

Altura (mm)   1.658

Largura (mm)           1.910

Comprimento (mm)             4.425

Peso (Kg)      1.926

Tanque (L)    54

Entre-eixos (mm)     2.702

Porta-Malas (L)        459

Ocupantes    5

*Dados do fabricante

Tag Cloud

One Response

  1. Fabio disse:

    Excelente produto!

Deixe um comentario

(*) Campos obrigatórios
ATENÇÃO: Todos os comentários postados nesse site, terão que ser aprovados pelo moderador e não irá aparecer automaticamente. Não serão permitidos comentários ofensivos contra a marca e os leitores, como palavrões. O texto tem que ser digitado em letras minúsculas respeitando as regras da nossa gramática. Comentários que não sejam sobre o assunto da matéria serão descartados. Ao postar um comentário, quer dizer que você concorda coma s regras acima. Obrigado.

© COPYRIGHT2018 CarPoint News - Todos os direitos reservados É proibida a reprodução de conteúdo deste site em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico, sem autorização por escrito