Avaliação РFiat Punto BlackMotion 1.8 16V (Flex) Dualogic 2014

Postado em: 10, janeiro 2014 por Marcelo Silva

Fotos: Marcus Lauria

N√£o h√° outro compacto mais democr√°tico no mercado brasileiro quanto √† variedade de vers√Ķes e motores quanto o Fiat Punto. Me faz lembrar a √©poca aonde pod√≠amos comprar um VW Gol com propulsores 1.0 16V, 1.0 turbo, 1.6, 1.8 ou 2.0. Desde a raqu√≠tica Attractive 1.4, passando pela Essence 1.6 e as esportivadas Sporting e Blackmotion 1.8, com √°pice na turbinada T-Jet, o Fiat Punto nos permite ampla liberdade de escolha, sem precisar optar por outro carro.

Testamos o Punto Blackmotion, que traz o mesmo ajuste mec√Ęnico da vers√£o Sporting, mas difere-se na roupagem, ao adotar os ap√™ndices visuais da esportiva T-Jet, ou seja, para-choques dianteiro e traseiro modificados e apliques aerodin√Ęmicos sem fun√ß√£o pr√°tica. Sedutor, o modelo atrai olhares nas ruas, embora o Punto j√° tenha uma longa hist√≥ria em nosso mercado e, mesmo com o √ļltimo face-lift, conserva as mesmas linhas desde sempre.

Seu pre√ßo come√ßa em R$ 50.550 e j√° vem bem equipado com ar-condicionado, dire√ß√£o hidr√°ulica, trio el√©trico, rodas de liga aro 16, entre outros. Mas para levar para casa um Punto Blackmotion como o ‚Äúnosso‚ÄĚ (que n√£o era black), adicione R$ 1.100 da cor Cinza Scandium, R$ 2.396 do c√Ęmbio Dualogic Plus + Seletor DNA, R$ 179 do cruise control, R$ 391 dos paddle shifters, R$ 1.695 do Kit Full 1 (ar digital, sensores de chuva e crepuscular), R$ 4.312 do Kit Stile 1 (teto solar e Blue&Me) R$ 2.156 do Kit Stile 2 (bancos em couro) e R$ 456 do alarme, totalizando salgados R$ 63.245. Com seis airbags e rodas aro 17, sai por inacredit√°veis R$ 67.554.

Logo ao entrar no carro nota-se o acabamento bem resolvido, bem como o interior aconchegante e os bancos dianteiros com excelente apoio para o corpo. Achar a posição ideal de dirigir é moleza, afinal o Punto possui amplas regulagens da coluna de direção e de altura do assento. O espaço para as pernas na dianteira também é amplo, embora o Sky Window roube um pouco de espaço para a cabeça. Já na traseira a situação é complicada, até passageiros com 1.70 m sofrem com o rebaixamento do teto por causa do teto solar duplo, e o espaço para as pernas é ruim.

A visibilidade √© boa, sem qualquer dificuldade para regular os amplos retrovisores externos. E gra√ßas aos apoios de cabe√ßa do tipo v√≠rgula no banco traseiro, a visibilidade pela vigia traseira √© plena, embora conte tamb√©m com o aux√≠lio √ļtil do sensor de estacionamento com indicador gr√°fico. Apesar de suas dimens√Ķes reduzidas, o Punto tem um di√Ęmetro de giro elevado, de 10,9 m, o que resulta em mais manobras dentro de garagens apertadas. O peso da dire√ß√£o hidr√°ulica √© regular, dentro da m√©dia.

Girar a chave na igni√ß√£o faz com que um ronco suculento invada a cabine, fruto de algum trabalho da Fiat no sistema de admiss√£o e de escape, refor√ßando a id√©ia de modelo esportivo, evocando o esp√≠rito italiano do carro. O ronco grave se faz presente nas baixas rota√ß√Ķes, afinando conforme os giros sobem, com um resultado bem interessante, que acaba por convidar o motorista a esticar mais as marchas e obter o rendimento ideal do propulsor 1.8 16V E.TorQ, que gera 130/132 cv de pot√™ncia @ 5.250 rpm e 18,4/18,9 kgfm de torque @ 4.500 rpm (com gasolina/etanol, respectivamente), e se revela apenas cumpridor da tarefa de carregar os 1.229 kg do modelo.

O carro traz como cereja do bolo o seletor DNA, que chegou primeiro por aqui no Punto T-Jet, e oferece tr√™s modos de condu√ß√£o: Din√Ęmico, Normal e Autonomia. O sistema atua no mapeamento da inje√ß√£o eletr√īnica, resposta do acelerador e respostas do c√Ęmbio Dualogic Plus. No modo Din√Ęmico, as trocas de marcha em modo autom√°tico s√£o feitas em giros mais elevados, com respostas bem ariscas do acelerador. Enquanto o modo Normal perde um pouco da esportividade, o modo Autonomia chega a ser irritante pela morosidade das respostas do acelerador e do c√Ęmbio, embora seja o √ļnico a mostrar um interessante econ√īmetro na tela do computador de bordo.

Rodando na cidade, o Punto mostra um ajuste agrad√°vel de suspens√£o, com pneus 195/55 R16 Pirelli Cinturato P7. A altura de rodagem n√£o √© problema, embora o spoiler dianteiro possa raspar em algumas protuber√Ęncias mal projetadas. Como o motor n√£o traz comandos de v√°lvula vari√°veis nem na admiss√£o, nem no escape, h√° uma leve morosidade em baixos giros, obrigando o motorista a subir mais os giros para acompanhar o tr√Ęnsito. Apesar da evolu√ß√£o do c√Ęmbio Dualogic Plus, o que significa menos trancos, o c√Ęmbio ainda se perde em alguma situa√ß√Ķes. Mas o condutor ir√° relevar esse fato gra√ßas √† qualidade de vida a bordo, com bancos confort√°veis, ar-condicionado bem dimensionado e ao Sky Window, seja fechado ou aberto. Gra√ßas ao vidro bem escurecido deste teto solar, dias ensolarados n√£o ser√£o problema para o conforto t√©rmico dentro do carro.

Em uso rodovi√°rio o carro roda com suavidade, sem deixar de ter √≥tima estabilidade nas curvas (embora seja bem dianteiro no limite), fruto de um acerto refinado de chassi e suspens√£o. O n√≠vel de ru√≠do √© muito baixo e a solidez do compacto √© exemplar.¬† Quando exigidos, motor e c√Ęmbio trabalham bem, especialmente em ultrapassagens na estrada, ganhando velocidade com folga. O conjunto de freios se mostrou bem dimensionado, sem apresentar tend√™ncia significativa ao fading mesmo quando requisitado em uma descida de serra. O ABS atuou com louvor, sem trepida√ß√£o excessiva e entrando em a√ß√£o no momento certo. Para o pre√ßo do carro, faz falta a presen√ßa de controles de tra√ß√£o e estabilidade.

Ao fim de cerca de 1100 km de teste, o Punto Blackmotion apresentou um consumo m√©dio de 7,7 km/l com etanol e 9,2 km/l com gasolina, com uso em rodovias por 70% do percurso. Testamos tamb√©m a diferen√ßa do modo Autonomia para o Din√Ęmico, e o modo Autonomia (por ironia) consumiu mais etanol (6,6 km/l contra 6,9 km/l) em um percurso similar de 8 km na cidade, com tr√°fego livre.

Embora o Punto Blackmotion seja um carro com boas qualidades, na pr√°tica seu pre√ßo elevado acaba atuando como seu maior inimigo. Considerando o pre√ßo b√°sico de R$ 50.500, o carro n√£o traz nada de especial para enfrentar a concorr√™ncia de rivais como Ford New Fiesta, Peugeot 208 e Citroen C3 em suas vers√Ķes mais completas, com pre√ßo similar. Apesar da te√≥rica vantagem do motor 1.8, seu desempenho n√£o se destaca perante a concorr√™ncia, que traz motores 1.6 mais modernos, bem como s√£o mais leves. O apelo de compra do Punto Blackmotion √© apenas emocional, por conta de seu visual esportivo, mas se o comprador exagerar nos opcionais, o Punto T-Jet, esportivo de verdade, come√ßa a se tornar interessante.

CONTINUA NA P√ĀGINA 2

Paginas: 1 2

Tag Cloud

One Response

  1. Sem delongas mais fica aqui meus elogios da marca Fiat Punto pois tenho um 2013 Attractive 1.4 8v flex de quatro portas branco a cada dia fico arretando incrementando o meu carro, um verdadeiro tuning. Muito obrigado pela marca.

    Vauderi I Fragas

Deixe um comentario

(*) Campos obrigatórios
ATENÇÃO: Todos os comentários postados nesse site, terão que ser aprovados pelo moderador e não irá aparecer automaticamente. Não serão permitidos comentários ofensivos contra a marca e os leitores, como palavrões. O texto tem que ser digitado em letras minúsculas respeitando as regras da nossa gramática. Comentários que não sejam sobre o assunto da matéria serão descartados. Ao postar um comentário, quer dizer que você concorda coma s regras acima. Obrigado.

© COPYRIGHT2018 CarPoint News - Todos os direitos reservados É proibida a reprodução de conteúdo deste site em qualquer meio de comunicação, impresso ou eletrônico, sem autorização por escrito